Domingo, 29 de Julho de 2018

Um romance de memórias e viagem para o verão

FRENTE.jpg

Afinal, depois de sua publicação o ano passado pela Amazon USA,  o PARIS, MON AMOUR  agora finalmente saiu no Brasil e em Portugal!
A Editora é a CHIADO - vejam o link: https://www.chiadobooks.com/…/paris-mon-amour-as-memorias-d…

 

Este romance de memórias e viagem vai levá-lo/a à Brasília, Rio, Paris, Londres, Marrocos e Flórida.

 

Além do site da Editora Chiado, O PARIS, MON AMOUR também pode ser encomendado nas seguintes livrarias: 

Em Portugal: FNAC, BERTRAND LIVREIROS, EL CORTE INGLÉS E NOTE

No Brasil:  FNAC, GALILEU, CULTURA, TRAVESSA, SARAIVA e MARTINS FONTES.

 

Nota: Na página do PMA no facebook, há várias belas fotos da França tiradas pela própria  autora,  Isabela Pâmelli Martins, assim como extratos do seu  livro.  Eis o endereço:   https://www.facebook.com/pamelli2018/?ref=settings

 

Então passe lá, dê a sua curtida e depois adquira o seu exemplar.

 

BON VOYAGE ET BONNE LECTURE!!

 
publicado por Pâmelli às 17:50
link do post | Comentários | favorito
Terça-feira, 16 de Janeiro de 2018

Romance para este inverno...

Aos leitores e amigos do Parada Essencial:  

 

Aqui vai o link da página no Facebook  do meu romance de viagem PARIS, MON AMOUR - As memórias de uma jovem brasileira na Cidade Luz.   

 https://www.facebook.com/pamelli2018/

Este é para quem ama a Velha França,  um bom romance e tem senso de humor!

A história  começa nos anos 1970 em Brasília,  passa pelo Rio de Janeiro nos anos 1980 e depois vai para Paris ( o grosso do livro e principal momento da história....) - ainda com direito a um capítulo inteiro passado no Marrocos. 

Baseado em fatos reais,  o livro conta as aventuras e desventuras de uma jovem estudante brasileira em Paris nos final dos anos 1980.

Disponível somente pela Amazon -  no Brasil e Portugal, apenas em versão KINDLE ( livro eletrônico, para ser lido em tablets, computers e I-phones...).  Nos E.U.A.,  disponível também em paperback.

Nota: Para quem tem KIndle Unlimited, é possível baixar o livro FREE.

Então vá  lá!  

Dê um pulo até a página do PARIS, MON AVOUR no Facebook e veja

DSCN0117 (2).JPG

 

algumas fotos e extratos do livro lá postados.

E  depois, quem sabe,  você queira seguir com a Pâmelli para a Cidade Luz....:-) 

 

 

publicado por Pâmelli às 20:11
link do post | Comentários | favorito
Quinta-feira, 29 de Junho de 2017

Dica de leitura para este final de ano: PARIS MON AMOUR - As memórias de uma jovem brasileira na Cidade Luz

19576605_740925492754628_260940356_o.jpg

 

Depois da minha  sátira carioca "Copadrama- Uma Tragicomédia Brasileira" , publicado em 2009,  "Paris Mon Amour" finalmente saiu da gaveta ( ou melhor, do computador...) depois de vinte anos!    

Neste caso, trata-se de um romance de viagem inspirado em fatos reais. A história começa no Rio, nos anos 70 , passa por Paris ( a maior parte, nos anos 80), depois o Marrocos e  termina  na Flórida, USA  nos tempos atuais !  Pas mal, hein?

Nota:  Quem tem Kindle Unlimited ( da Amazon)  pode ler e se entreter  for FREE.

 A  obra  está disponível em Paperback( brochura)   e Kindle ( e-book)  nos E.U.A.  Já  no  Brasil e Portugal, pode-se ler em Kindle ( E-book) , pelo I-pad, I-phone ou computer...( Não sei se a Amazon manda entregar os paperbacks/brochuras em outros países...)

Enfim, quem estiver interessado em dar uma espiadela e ler os primeiros capítulos ( A  Amazon disponibiliza as primeiras páginas para o leitor dar uma olhada e só depois, se gostar, comprar o livro)  é só ir no site da Amazon e digitar Isabela Pamelli Martins.  Ao entrar na minha página de vendas, escolha o livro que quiser "explorar".  

 

Os endereços da Amazon nos E.U., Brasil e Portugal  são:

 

www.amazon.com

www.amazon.com.br 

 

www.amazon.com.pt   

 

Voilà uma boa sugestão  de presente de Natal para quem gosta de um bom romance.  :-) 

 

Fui!

 

 

publicado por Pâmelli às 01:38
link do post | Comentários | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 11 de Junho de 2017

Leitura de verão: Três romances brasileiros e um conto no estilo de La Fontaine

Pessoal,

faz muito tempo que não venho ao blog escrever nada.

 

É que estive envolvida em vários outros assuntos nestes últimos tempos.  Voltei para a faculdade, me formei em Antropologia e História e voltei a trabalhar como professora de línguas na Berlitz. 

 

Agora, depois de anos com estas obras engavetadas,  resolvi revisá-las e publicá-las na Amazon.

 

Para quem já leu e gostou do meu primeiro romance satírico ( Copadrama- Uma tragicomédia brasileira) , publicado em 2009, ( incluindo sua versão em inglês e em Kindle ( e-book), saibam que agora há os seguintes títulos disponíveis e a venda também  na AMAZON:

 

1) PARIS MON AMOUR  -  as memórias de uma jovem brasileira na Cidade Luz

--romance de viagem ( somente em KIndle /ebook)

Este é para as almas realmente românticas!!

 

2) MINHA VIDA DE CACHORRA -  uma autobiografia canina

--- romance para os pet lovers!  - Kindle/e-book only

Você tém ou teve um cão que amou demais?  Então este livro é para você!

 

3) TRIÂNGULO ANIMAL -  Segundo La Fontaine

---o conto/fábula sobre três animais , um cão, um gato e um cachorro.  Astrologia, amor platônico, aventura...Uma estória tanto para jovens quanto para adultos.

 

Para saber mais sobre as obras e  poder ler as primeiras páginas for Free, é só ir até a página da Amazon

e digitar o meu nome literário :Isabela Pâmelli Martins.

Você então cairá na minha página de vendas. Em seguida é só clicar na imagem do livro escolhido , que uma nova página se abrirá e lhe dará a opção de "olhar dentro" e ler as primeiras páginas/capítulos.

Finalmente, os livros podem ser comprados em qualquer país, com a Amazon local, na moeda local.

 

Voilà. Já fiz minha propaganda.

Copadrama Cover Kindle (2).jpg

 

Então, boas férias e boa leitura!!

.

 

 

 

 

publicado por Pâmelli às 19:34
link do post | Comentários | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 15 de Abril de 2016

Copadrama -Uma tragicomédia brasileira

Não,  não tem nada a ver com a política brasileira atual. ( Essa pornochanchada de extremo mal gosto que vemos todos os dias no Jornal da Noite na T.V....)

Na verdade, trata-se de uma sátira bem humorada da sociedade brasileira contemporânea .Um romance ao mesmo tempo "geográfico" e cultural!.

O livro original ( em português) agora está  finalmente disponível pela AMAZON  em forma de E-book! 

Já a versão em inglês, continua disponível em sua  forma de paperback, mas agora também igualmente  em E-book.

Então,  está  esperando o quê para encomendar logo  o seu exemplar?

 

Faça a sua viagem de maneira virtual ( mais em conta e muito mais segura...) para o Rio de Janeiro e conheça alguns personagens bem típicos ( por mais incrível que pareça!) brasileiros. Believe it or not...Muitos deles foram inspirados em pessoas da vida real...

Então Bon Voyage e boa leitura , já que "Copadrama" é  diversão garantida neste verão!

 

A autora

publicado por Pâmelli às 20:32
link do post | Comentários | favorito
Terça-feira, 3 de Dezembro de 2013

Um romance de fim de ano...

 

Ok, está na hora de voltar a promover o meu romance preferido – que por um acaso destes…- é de minha própria autoria! {#emotions_dlg.smile}

 

Publicado em 2009,  “Copadrama- A Brazilian Tragicomedy” ( disponível somente em inglês) é uma sátira bem humorada da sociedade brasileira contemporânea e está a venda somente pela Amazon,  em forma de paperback tradicional. ( Sim, eu sou meio antiquada...)

A estória se passa no Rio de Janeiro (cidade onde cresci), no famoso,  mas hoje bastante decadente ,  bairro de Copacabana.

Copa…drama -  já deu para sentir o “drama”,  certo?

 

Alguns personagens do livro são “típicos cariocas”;  outros são de outras partes do Brasil e ainda há alguns estrangeiros – um argentino, um Americano e um (oops…)  italiano.

A obra é original em vários aspectos , a começar pela forma como o livro foi concebido e publicado  (Escrito originalmente em português e traduzido por um grupo de alunos  Americanos nativos – todos “brasilianistas” de  {#emotions_dlg.heart})

 

“Copadrama” é um romance de leitura rápida, ideal para se ler durante uma viagem de avião,  de trem,  no deck de um navio,  ou simplesmente na beira da piscina.  É um retrato fiel, muitas vezes tragicômico,  da classe média  na mais famosa cidade brasileira.  Quem já esteve no Rio,  certamente reconhecerá vários “tipos” e lugares famosos.  Já para  quem nunca foi,  esta é uma ótima oportunidade para se sentir na própria cidade, ainda que continue sentado no sofá de sua própria sala.

  Então,   se você ainda não encomendou o seu exemplar,  agora é a sua chance – inclusive de dar um divertido romance de presente de Natal  para um amigo, uma  irmã,  um colega de trabalho ou qualquer outra pessoa que goste de “viajar pelo mundo através da leitura…”

 

Finally,  venha visitar nossa página no Facebook,  ( www.facebook.com/CopadramaABrazilianTragicomedy  )  onde várias pessoas já deixaram o seu comentário sobre o livro – em inglês, francês e português… -  bem  ao  estilo “Copadrama”. {#emotions_dlg.smile}

 

Fui!

 

           A autora (  uma brasileira/americana,  residente  no Texas desde 2003 )

  

 

  

 

 

sinto-me: Networking!
tags: ,
publicado por Pâmelli às 15:57
link do post | Comentários | favorito
Sábado, 14 de Julho de 2012

Jorge , o Amado

Ontem,   aqui em casa,  assistimos ao Globo Repórter sobre  o remake  da novela “Gabriela” , assim como  a obra e a vida de Jorge Amado.  ( Nos  E.U. o programa passa com uma semana de atraso em relação ao Brasil).

 

Jorge Amado é o meu autor brasileiro preferido e dos seus livros , “Gabriela”  é o que eu gosto  mais.  De fato, este foi um dos melhores livros que já li ( isso faz mais de vinte anos! ) e até hoje,   ainda me lembro como já nas páginas finais comecei a ‘economizar’  na leitura, lol,  porque não queria que a estória acabasse! 

 

Agora a Globo resolveu fazer  a versão moderna da novela  de 1975 . Eu era uma garotinha então,  e só me lembro de algumas partes engraçadas, que via meus pais assistirem divertidos, altas horas da noite lá em casa, quando eu  já devia  ter ‘ido pra cama’.  Pois é, naquela época criança ainda tinha hora pra se  deitar…

 

“Gabriela” , se não me engano, foi a novela que alçou Sonia Braga ao estrelato nacional  e à categoria de sex symbol brasileira.   Agora é a vez de Juliana Paes encarnar o personagem  e ,  ao que parece ( a novela só começa esta semana aqui nos Estados Unidos ),   está fazendo um excelente trabalho. 

 

Mas, voltando ao Globo Repórter de ontem…

A reportagem,   naturalmente foi bastante interessante.   As imagens da Bahia , sempre  tão colorida, alegre , musical  e africanizada...Com suas comidas exóticas,  a sua história e os seus monumentos preservados ( ao contrário do Rio de Janeiro!) ,  são sempre um prazer de se ver.  As ótimas entrevistas com o  velho Jorge e sua mulher, Zélia.   A famosa Casa do Rio Vermelho , em Salvador, onde  o casal morou tantos anos até o final de suas vidas.

A única coisa que deixou a desejar,  foi aquela entrevista ( que tomou boa parte do programa) com a filha do autor , Paloma -   aquela  senhora gorda e deprimida , que há anos não vai à casa onde seus pais viveram e foram tão  felizes. Ao invés disso, a família   mantém a casa  fechada, desabitada  e abandonada,   porque  segundo ela ,  “aquilo lhe dá uma tristeza e saudade enormes,   de um tempo que não volta mais…"   Que baixo astral, arre.   Saravá!

 

 Tivesse eu tido a sorte e o privilégio de ter sido filha do grande Jorge Amado -  e naturalmente ,  sentiria imensas  saudades dele e de Zélia,  pois  afinal, até nós , simples leitores,  que nunca o conhecemos pessoalmente, sentimos saudades... Enfim,  tivesse eu tido esta sorte,  eu é que não ia deixar aquela casa fechada,  sem móveis,  esquecida  e triste.   Muito pelo contrário! 

 

É verdade que o tempo não volta.  Mas isto não significa que você não possa fazer renascer o espírito,  a lenda e a estória ( ou estórias) de alguém muito querido que já se foi.  Uma vida especial pode e deve continuar sendo celebrada, mesmo após a morte.

Eu,  no lugar da senhora Paloma,  abriria aquela linda e charmosa casa ao PÚBLICO  -  sim,  a todas as pessoas que leram , conhecem e admiram a obra de Jorge Amado -   e a transformaria em um Centro Cultural tão colorido, alegre e imaginativo  quanto foi a obra do próprio Jorge.   Alí,  ele estaria mais vivo e presente do que nunca! 

 

O lugar teria um  café  ( O “Cravo e Canela” {#emotions_dlg.smile} ) com as  "quitutes de Gabriela” ,  uma charmosa livraria com todas as obras do autor, além de livros de culinária e história da Bahia ,  um souvenir shop vendendo todos aqueles trinkets baianos ...lol ,  visitas guiadas aos  “cantinhos preferidos do escritor e de sua mulher” ( dentro e fora da casa e  no  jardim em volta..) ,  além de  uma pequena sala de projeção,  onde pelo menos uma vez por mês mostrariam algum filme ou série baseada na obra do ilustre baiano.    Já pensaram que delícia ? lol     O lugar fervilharia de turistas do Brasil inteiro – e muitos inclusive vindos de fora,  pois afinal,  Jorge Amado teve sua obra traduzida para mais de 40 idiomas!   Isso sim,  seria um verdadeiro tributo de Paloma  ao seu pai e uma demonstração sadia do  amor e admiração que sentia  por ele. 

Por fim,  eu deixaria a casa como   “Patrimônio  cultural  para o estado da  Bahia” ,   assim como tantas pessoas  fazem  aqui nos E.U. – o país dos grandes filantropos! (Ou ,ao menos formaria  um acordo para que no futuro a casa fosse  vendida  pelos seus descendentes  para a  CIDADE de Salvador   , garantindo  desta forma que  ela permanecesse aberta  ao público .

 

Agora,  do jeito que está,  o mais provável é que seja  herdada por algum neto do escritor ,   posteriormente vendida,   talvez demolida ou completamente descaracterizada.  .   E um dia, daqui há uns 100 anos,  quando  o estado da Bahia  finalmente resolver  ‘ reconstruir a antiga residência onde viveu  Jorge Amado’ , terá que usar fotos antigas e , quem sabe,  recorrer  a reportagem  do Globo Repórter da noite de ontem,  "pra saber como ela era".   Humph.

 

Enfim,  para nós, meros leitores e admiradores do escritor,  restam seus livros, os filmes , novelas e agora ,  a representação de "Gabriela". 

Quanto a mim,   meu consolo é saber que desta vez vou poder ficar acordada até altas horas, me divertindo com  os personagens inesquecíveis do velho Jorge.   {#emotions_dlg.smile}

 

sinto-me: Curiosa com a nova novela
tags: ,
publicado por Pâmelli às 23:33
link do post | Comentários | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 1 de Junho de 2012

Bye, Bye Veja Brasil

 

Este ano,  depois de mais de quatro anos de leitura dedicada e ininterrupta, resolvi  cancelar minha assinatura da revista VEJA.  Pois é. Justamente eu,  que adorava a revista , sempre bem escrita e informativa.  De fato,  mais de uma vez até vim ao Parada escrever um post sobre algum artigo que tinha lido por lá.

Acontece que neste começo de  ano,  a VEJA me decepcionou em duas frentes: primeiro , com a desculpa de que "alguns leitores no exterior ( pelo menos aqui, nos E.U.A...)   estavam reclamando da demora da entrega das revistas" , passou  a usar o sistema de UPS de entrega ( que é mais caro) e com isso,   simplesmente,  assim,  sem mais nem menos,  aumentou o preço da assinatura anual  de  duzentos e poucos dólares ( que já não era exatamente “baratinho”…) , para mais de $ 500!  Isso mesmo.  Mais do que o dobro, ou seja:  um aumento de mais de 100%!     E isso, detalhe,  num país onde,  DIZEM,  que a inflação de 2011  ficou em torno de 6,5%... Humph.  Segundo,  ao interrompermos nossa assinatura, diante de tamanho ROUBO ( a palavra é essa mesma),  o que eles fazem?  NADA.   Sequer uma carta  tentando saber ao menos porque  o leitor parou de assinar,  uma contraproposta,   quem sabe uma promoção no futuro.  Nada.  NienteRien.   

 Quer dizer, simplesmente deixaram um velho e fiel cliente sumir no pó !   Um cliente,  diga-se de passagem,  que mora há anos no exterior , e que por estas alturas,  já nem deveria mais assinar qualquer revista brasileira!   Aliás, eu duvido muito que tenham tantos brasileiros por aqui  assinando  revistas do Brasil e pagando em dólar por elas.  Quando muito, o povo assina a Globo Internacional. Por isso mesmo,  a meu ver,  estes poucos leitores fiéis e morando tão longe , deveriam ser tratados com um pouco mais de consideração.

 

Mas a  verdade é a seguinte: É típico do brasileiro ,  não estar nem aí pro cliente – principalmente para o cliente , QUE DEIXA DE SER CLIENTE.   Os comerciantes brasileiros  não têm o menor interesse em cultivar o antigo cliente;  aquele que sempre foi fiel,  consumiu regularmente o seu produto e fez propaganda para os amigos.  Só o que importa é o de HOJE e AGORA  e o seu  lucro imediato.    Como diz o outro :  “A fila anda!”. 

Isto alias, me lembra do que uma amiga minha do Rio me contou há alguns anos:   Ela,  que fora uma cliente fiel ( e bastante consumidora!) da loja FOLIC ,  ( pra quem não sabe,  a Folic é uma loja de roupas femininas  boas e caras no Brasil…) há ANOS, e que sempre era atendida pela mesma vendedora ( que , certamente recebia comissão sobre as vendas)…  Pois bem,   um belo dia,  ao voltar na loja poucos dias após ter comprado uma calça comprida bastante cara ,  que , segundo minha amiga,  “rasgara de cima a baixo justamente no TRASEIRO,  na primeira vez que a vestiu ( detalhe,  minha amiga não é gorda!),   o que é que ela ouviu  da vendedora:

 

-Esta era a última que tínhamos.   Você pode escolher outra coisa na loja…

 

Minha amiga respondeu que não queria outra coisa pois não estava precisando de mais nada.  O  que  ela queria, era ficar com o crédito  para uma futura  compra.   Pensa que conseguiu?    Aquela mesma moça,  sempre tão prestativa , que puxava o seu saco há anos  e lhe sorria toda vez que ela entrava  na Folic , simplesmente  lhe fechou a cara e foi atender outra cliente. 

Desde então , minha amiga nunca mais voltou na loja .

 

Já o Americano pensa e age completamente  diferente.  A satisfação e a preservação do cliente antigo,   já conhecido e confiável,   é a coisa mais importante.   Não “ queimar o filme” com ele, essencial.   Vamos à alguns exemplos  que eu mesma já vivenciei,  sempre que lidei com empresas, lojas ou  companhias americanas ,  tanto quando ainda residia no Brasil, como hoje em dia , aqui em Austin, Texas.

 

1)      Me lembro quando ainda morava no Rio e durante seis meses fiz a assinatura da TIME Magazine.   Pois bem.   Passados os seis meses ,eu não refiz a assinatura  ( já que dentro de poucos meses estaria seguindo para a Europa, onde iria passar um semestre estudando).   Bem,  guess what : Durante pelo menos uns DOIS  meses,  me lembro que a TIME continuou  me enviando exemplars da revista, DE GRAÇA ,   além de novas opções de assinaturas,  novos planos de pagamento parcelados etc.  Isso  durou vários meses!

 

2)      Sigamos  agora para a excelente e chiquerésima  loja de utensílios domésticos “Williams & Sonoma”, com franquias por todos os E.U. e uma filial  aqui do shopping de Austin.   Eh bien,  há cerca de uns três anos atrás,  minha mãe me comprou na loja  uma COLHER  ( isso mesmo,  uma simples colher…) com braço  de aço inoxidável e a ponta de plástico,  para cozinhar molhos, sopas etc.   A colher deve ter custado perto de $20 dólares – bastante cara para uma simples colher -  mas a coisa era realmente de boa qualidade e é claro,  comprada  na famosa  “Williams&Sonoma”, lol.

         Pois bem,  poucas semanas depois,  a parte  de plástico da colher soltou e eu,  apesar de indignada,  resolvi  esquecer o caso.   Seis meses depois, contudo,  quando minha mãe voltou a nos visitar ( naquele ano ela veio duas vezes) e soube do ‘caso’ ,  um dia ao falarmos do assunto com meu marido ele replicou:

 

-Voltem lá , digam o que aconteceu e eles lhes darão uma colher nova.

 

Eu tive de rir.  Ora essa,  até parece!  Já havia se passado meses desde a compra,  nós nem tínhamos mais o recibo ,  e além do mais,  tratava-se apenas de uma  colher !  -  mesmo que fosse uma colher “metida” , lol . Mas minha mãe resolveu seguir seu conselho e voltou  à ‘Williams&Sonoma’, com a colher decapitada, e lhes explicou o ocorrido.   Adivinha o que aconteceu?   Troca imediata,  pedido de desculpas e nem se importaram dela não ter mais  a nota de compra!

 

Por fim,   meu ultimo caso , e talvez o mais emblemático: 

Minha loja de departamentos preferida aqui é a Nordstrom,  com filiais em todas as principais e grandes  cidades americanas. 

A Nordstrom é uma bela loja, muito classuda,  com pianista no lobby e um  excelente café no estilo dos que se vê nas  elegantes lojas de departamentos na Europa.  A comida alí, alias, é ótima. ( Na filial aqui de Austin,  tem um prato de ‘salmão ao molho de gazpacho’ que é de você comer rezando! Lol) .

Apesar disso tudo,   ao contrário de  outras lojas de departamentos de "peruas e patricinhas de nariz empinado"   ( tipo “Neuman Marcus”, por exemplo),  a Nordstrom  não tem APENAS  produtos de griffes  famosas e caríssimas.  Tudo alí é excelente,  mas existe  também muita coisa a preço  razoável.  Sem falar que,   há sempre promoções e as vendedoras são  gentis e prestativas.

 

Pois bem,   há cerca de dois anos eu comprei uma sandália muito bonita e não exatamente barata  (($100) para padrões americanos  ( sempre lembrando que por aqui, as coisas são MUITO  mais em conta do que no Brasil…),  que eu amei a primeira vista.  Era de couro,  com algumas pedras em azul turquesa. 

O fato é que eu usei  esta sandália durante uns dois  meses – MUITO.   Afinal ela era confortável,  bonita e dava com tudo.  Mas aí aconteceu uma coisa:   a parte de couro ( as tiras que seguravam a sandália) começaram a ceder e logo eu não pude mais andar com elas sem que elas ficassem sambando no pé!

Fiquei chateada e uma noite, ao jantar,  ao mencionar o caso para o meu marido, mais uma vez ele me saiu com:

 

-Volte lá, que eles lhe darão outra.   Afinal, quanto melhor a loja,  maior é a chance deles fazerem a coisa certa, pois não querem perder a cliente.

 

Então no dia seguinte lá fui eu,  de volta ao Mall e ,  já sem a nota de compra depois de tantas semanas,  mostrei a sandália com o couro cedido para a vendedora no setor dos sapatos lhe dizendo:

 

-Está vendo o que aconteceu com a sandália que eu comprei aqui recentemente?   ( Eu não lhe disse que já fazia dois meses,  mas mesmo assim ,  sem nota de compra , que diferença podia fazer??  O mais provável, pensei,  era que ela não aceitasse a troca...)

 

Oh,  I’m very sorry to hear that…  ( Sinto muito em ouvir isso…) - foi o que a moça me respondeu.   E acrescentou:  Você quer seu dinheiro de volta ou deseja trocar por uma sandália nova?

 

Assim que me recompus da surpresa  ( afinal, brasileiro, mesmo morando fora há anos, não está acostumado a  tanto!),  ao olhar em volta na loja  e ver que ainda restavam alguns exemplares da minha querida sandália de contas turquesa ,  resolvi  arriscar uma segunda tentativa :

 

-Acho que prefiro uma igual , nova.

 

E assim foi.   Eu troquei por uma novinha em folha , depois de ter usado a ‘velha’  durante mais de dois meses!   E dessa vez a sandália durou uns bons dois ou três  anos. ( Sim, eu realmente a adorava e só me livrei dela depois que ela já tinha quase se decomposto! Lol).

 

Moral da estória:   Eu continuo comprando e frequentando a Nordstrom mais do que nunca e sempre que posso digo e repito:  isto é uma loja de classe e que respeita realmente o consumidor.  O mesmo eu digo sobre a “Williams&Sonoma” .

 

Já quanto à revista Veja ...  BYE, BYE!  Agora,  só quando minha mãe vier de férias e me trouxer um ou outro exemplar – de graça.

 

Minha próxima assinatura?  

Será ou da  "National Geographic" ou então da revista  “Archaeology” .   Ambas excelentes - e thank God,  Americanas.

 

 

 

sinto-me: Decepcionada com a Veja
tags: , ,
publicado por Pâmelli às 18:08
link do post | Comentários | favorito
Quinta-feira, 19 de Abril de 2012

Massacrando o português

 

 

( A Mônica ainda existe??   Faz tempo que estou fora do Brasil e já nem me lembrava mais...lol)

 

Volta e meia um amigo no Rio  me envia um texto que eu simplesmente tenho de colocar no Parada!  

Voilà o último que recebi {#emotions_dlg.smile}:

 

"SUA EXCELÊNCIA, A SENHORA PRESIDENTA DILMA"

 

O Diário Oficial da União adotou o vocábulo  “presidenta”  nos atos
e despachos iniciais de Dilma Rousseff.
As feministas do governo gostam de “ presidenta” e as conservadoras
(maioria) preferem presidente, já adotado por jornais, revistas e
emissoras de rádio e televisão ( afinal os veículos de comunicação têm a
ética de escrever e falar certo).

Na verdade, a ordem partiu diretamente de Dilma.  Ela  quer ser chamada
de Presidenta e  ponto final.

Por oportuno, vou dar conhecimento a vocês de um texto sobre este
assunto e que foi enviado pelo leitor Hélio Fontes, de Santa Catarina,
intitulado “Olha a Vernácula".

Vejam:

No português existem os particípios ativos como derivativos verbais.
Por exemplo: o particípio ativo do verbo atacar é atacante, de pedir é
pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de
mendicar é mendicante.

Qual é o particípio ativo do verbo ser? O particípio ativo do verbo ser é
ente.
Aquele que é: o ente. Aquele que tem entidade.

Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a
ação que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os
sufixos ante, ente ou inte. Portanto, a pessoa que preside é
PRESIDENTE, e não "presidenta", independentemente do sexo que tenha.

Se diz capela ardente, e não capela "ardenta"; se diz a estudante, e
não "estudanta"; se diz a adolescente, e não "adolescenta"; se diz a
paciente, e não "pacienta".

Quer dizer,

 
"A presidenta se comporta como uma adolescenta pouco
pacienta  e nada eleganta.  Esperamos vê-la algum dia sorridenta numa capela
ardenta, pois esta dirigenta política, com suas ideias  barbarizantas, não tem o direito de violentar o pobre
português, apenas  para ficar contenta e parecer mais  inteligenta e menos jumenta.”

 

P.S.   Sorry  se isto ofende a "sensibilidade" de alguns petistas, but for my part,  it made my day!! lol

 
   


--

 

sinto-me: Divertida
tags: ,
publicado por Pâmelli às 15:45
link do post | Comentários | favorito
Sexta-feira, 23 de Setembro de 2011

A oncinha de Jundiaí

Nestes últimos dias esta  coisinha fofa foi resgatada pelos bombeiros durante um  incêndio na Mata Atlântica  nos arredores de São Paulo .  Ela agora se encontra em um centro de recuperação de animais em Jundiaí ( interior de São Paulo).   

A figurinha tem cerca  de dois meses e foi encontrada na mata,  ao lado da mãe morta pelo fogo.

Agora está sendo cuidada, mas infelizmente  terá de viver o resto de sua vida em cativeiro pois sem  os ensinamentos da mãe, não poderá mais aprender a sobreviver ( e caçar!) no meio selvagem.

 

Assim que vi a reportagem no Jornal Nacional , pensei:   este filhote sobrevivente de Jaguatirica ( uma   espécie em extinção) deveria se chamar VIDA {#emotions_dlg.smile} e levada para o ZOOLÓGICO DE SÃO PAULO ( a capital)  -  o antigo SIMBA SAFARI . Este é  o maior do Brasil e considerado um dos 10 melhores do mundo.  Aliás,  é o único na América Latina onde os animais podem ser vistos SOLTOS em seus habitats.

 

Quando criança nos anos 70,  fui ao Simba Safari com meus pais e nunca mais me esqueci da experiência.  As grades são colocadas nas janelas dos carros, ( ou seja,  quem fica dentro das jaulas somos NÓS!) , pois é neles que percorremos os habitats dos animais , que vivem soltos, no meio da natureza.  Não é um zoológico {#emotions_dlg.sad} (eufemismo para : 'Penitenciária de Animais Inocentes' !) ;   é na verdade  um mini-safari...

 

Leitores do Parada e amantes dos animais,  ESCREVAM UM E-MAIL  à administração do Zoo em São Paulo e peçam para que  a oncinha  seja levada para lá pois este será o melhor lugar onde ela poderá viver em cativeiro.   Eu já mandei o primeiro.

 

Eis o endereço eletrônico:  administraçãozoo@zoologico.sp.gov.br

 

Para ler mais sobre o lugar,  vá para www.zoologico.sp.gov.br/zoosafari 

 

P.S.  Se forem estrangeiros, mandem seus e-mails em inglês, não importa.   Com certeza vai ter gente por lá que lê em inglês.  Afinal estamos falando de São Paulo , Capital. 

 

Vamos torcer para um final feliz para a pequena VIDA!!  ( O nome eu acabei de inventar, mas quem sabe ele não pega?? lol )

sinto-me: Torcendo pela VIDA ...
publicado por Pâmelli às 18:24
link do post | Comentários | favorito

.Mais sobre mim

. Meu Livro

COPADRAMA

- A Brazilian Tragicomedy

(um romance em inglês de I. Pamelli M.)

. Comprar na AMAZON.com

.Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

30
31


.posts recentes

. Um romance de memórias e ...

. Romance para este inverno...

. Dica de leitura para este...

. Leitura de verão: Três ro...

. Copadrama -Uma tragicoméd...

. Um romance de fim de ano....

. Jorge , o Amado

. Bye, Bye Veja Brasil

. Massacrando o português

. A oncinha de Jundiaí

.arquivos

. Julho 2018

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Junho 2017

. Abril 2016

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.flag counter

free counters

.subscrever feeds