Domingo, 21 de Agosto de 2011

Viagem improvisada ao Brasil

Categoria de post:  diário/viagem/turismo

 

Pois é, demos uma escapulida de última hora  e aqui estamos gastando os últimos dias que ainda temos de férias. 

Nossa chegada em São Paulo ( mais de 9 horas de voo do Texas) foi seguida de outra viagem ( mais 6 horas)– dessa vez de ônibus , até Varginha,  no interior de Minas Gerais.   Ufa! 

Como  bem podem imaginar , chegamos em Minas  ACABADOS  -   além de literalmente  fedorentos!

É que o ônibus era do tipo  ‘pinga pinga’  ( que vai parando em todos os buracos no interior e pegando  a mais braba  peãozada…)    e pra completar a desgraça,  bem ao nosso lado sentaram três  cachaceiros cheirando a pura carniça!  No kidding.   Me senti a própria Fernanda Montenegro viajando de ônibus em ‘Central do Brasil’’!   Como diria o Sebá ( alguém ainda se lembra dele??) :   Chose de loque,  Madalena! 

 

Anyway,  apesar de nossa chegada nada glamorosa à ‘Princesinha do Sul’  (assim é conhecida Varginha em Minas;  já no resto do Brasil,  ela  é a 'Cidade do E.T. ' lol)  ,  o  almoço dos 80 anos de meu pai foi bastante agradável, além de  prestigiado  por toda a família .   Aliás foi esta a razão de termos ido  ao Brasil este ano e nesta época.

 

Depois o Rio:

Já faz alguns dias  que estamos  aproveitado o ‘inverno’ na capital carioca. 

A surpresa agradável  foi ver que  o  ‘inverno’ aqui é como se fosse um  verão agradável - o céu tem estado azul todos os dias e a temperatura  girado em torno dos 24 graus.   Nada mal ( principalmente para quem tem sempre pego chuva  no verão e na primavera, todas as últimas vezes que viemos ao Rio) !

Nossa programação aqui é simplesmente acordar cedo e caminhar na Praia de Copacabana,  rever os amigos e parentes e aproveitar a boa comida.   Já devo ter engordado uns dois quilos, but what the hell. Bem, pelo menos tenho caminhado uma média de 7 quilômetros todos os dias. ( Só a Praia de Copacabana  tem cerca de 4!) Coisa boa e saudável, que ninguém faz nos E.U…

E agora,  algumas fotos dessa nossa  mais recente ( e a mais curta de todas!)  escapulida  até  o Brasil.

 

 

 1) Praia  de Copacabana, no bairro do mesmo nome.  ( O cenário é do meu livro, 'Copadrama' -a Brazilian Tragicomedy' lol)  É lá que sempre ficamos pois é onde mora minha mãe.

O melhor é sair bem cedinho para caminhar pela areia , entre 8 e 10 da manhã, de preferência durante a semana quando tem menos gente e ninguem jogando frescobol em cima de você. ( Eta coisa pra me irritar -até porque a bola sempre dá um jeito de vir bater em mim!! {#emotions_dlg.evil})

 

 

 2)  O bom de se ir à praia no Brasil - ou pelo menos nas praias do Rio...- é isso.  Em termos de Homo Sapiens ,  alí  vê-se de TUDO : Gente gorda, gente magérrima,  gente pelancuda, gente com cicatrizes horrorosas , faltando um braço ou perna... E o melhor é que ninguem se incomoda, se ofende ou acha ridículo.  As mulheres  ( independente da idade ou corpo) TODAS usam biquínis  ( geralmente minúsculos)  e caminham numa boa ao longo da orla.   Já aqui nos States  a maioria das mulheres que já passou dos 35 usa mesmo é maiô inteiro ou então aqueles biquinis  MONSTROS no estilo anos 30.  Depois dos 50 então...esquece.  A maioria nem vai à praia !   

Nota:  a carioca de cima devia  estar beirando os 70 anos ( velhésima de rosto!) ;  já a de baixo devia estar lá pelos seus 50 e muitos e como vêem,  era  muito 'bem nutrida'.   THAT's   Rio folks!

 

 

3) Vida saudável:   Hidroginástica  no final do Posto 6 ( ao lado do Forte de Copacabana) para as pessoas  da meia e terceira idade..  Pelo visto o pessoal só não tem aula em dia de ressaca...  

 

  

 4) Ainda na Praia de Copacabana, o elegante e tradicional Copacabana Palace.  Uma das poucas coisas 'européias' que ainda resta no Rio...

 

 

5) E os hotéis Marriott e o antigo Méridien ( infelizmente comprado e agora chamado de 'Windsor'). Dois  lugares onde 'cenas inesquecíveis'  se passam no meu romance do   'Copadrama' , lol. 

 

6) No Leme ( no outro extremo do Forte de Copacabana ),  o famoso Quiosque dos Gays da novela 'Insensato Coração'.  Quando chegamos lá ( já pelas 10:30 da manhã ), soubemos que  tinham acabado de filmar um dos capítulos  e já  retirado os enfeites do arco-íris ...{#emotions_dlg.smile}

 

7) Após uma longa caminhada,  um pit-stop mais do que merecido em um dos quiosques, com direito a água de côco e desinfetante para as mãos . lol  ( Eu sempre levo um dentro da bolsa)

 

8)   

Já nas ruas da cidade,  os bueiros estão com suas instalações defasadas .  Já foram mais de 28 explosões desde o começo do ano - e o carioca,  gozador de tudo por natureza,  decorou vários deles ou com um ponto de interrogação,  ou  com uma bomba prestes a explodir. 

O jeito é rir , pra não chorar... 

 

Impressão, dicas e conclusão final:

 O Rio,  fora de temporada  ( o verão, as férias e o Carnaval...) é bem melhor pois tem menos turistas e a maioria dos cariocas está no trabalho ou nas aulas.   A cidade parece menos tumultuada e estressante.  O mar, bem mais limpo.  O sol,  gostoso, não te  racha a pele mas apenas lhe dá um bronzeado colorido. 

 O 'outono' ou 'inverno' ( meses de junho à agosto) são as melhores estações para se estar lá.

Minha dica:  Acorde cedo e aproveite a praia durante a semana antes das 11 da manhã.

 

Conversando com os cariocas que , ao contrário de mim,  não desistiram de sua cidade e continuam morando nela...,  parece que com a pacificação das favelas mais perigosas,   'a coisa melhorou bastante '.  ( Pelo menos é o que ouvi de mais de uma pessoa ).

Pode não ser a cura definitiva  para a doença que aflige o Rio há tantas décadas, mas  já é um coquetel poderoso que permite que se continue  vivendo com ela,  com relativa qualidade de vida e ainda por muitos e muitos anos...

 

sinto-me: Com uma ponta de esperança
tags: ,
publicado por Pâmelli às 20:12
link do post | Comentários | favorito
Sexta-feira, 24 de Junho de 2011

Que país é ESSE ??

Categoria de post:  Denúncia/desabafo/vergonha

 

Hoje ,  celebrando o fim do meu  abominável curso  de ‘Composition 1’  do ACC , no qual tivemos de aprender , entre outras coisas,  como  citar corretamente  os dizeres de um autor ao escrevermos o nosso próprio texto… , resolvi vir ao ‘Parada’ para deixar alguns quotes (muito inconvenientemente verdadeiros, diga-se de passagem…)  que andei lendo por aí  nesta última semana.

 

Em seu ensaio  “O ministro não conta”   na  VEJA de 8 de junho, por exemplo,   J.R. Guzzo nos diz que ( e pros diabos com as regras de Professor S. , que isto aqui é apenas um blog! ) “Todo país subdesenvolvido tem mosca;  não há exceções.  Os aeroportos , em vez de terem a sua volta hotéis operados pelas grandes cadeias internacionais ( o que me fez lembrar do aeroporto aqui de Austin, com o Hilton  , a poucos  METROS  de distância…) , são cercados de favelas.” Last but not least, "Homicidas confessos ( tal qual o Sr. Pimenta Neves, só para citar um exemplo bem recente…) podem começar o cumprimento de suas penas onze anos após o crime que cometeram, quando não são ‘cidadãos comuns’."

  Ah,  e só para fins de ‘contraste’ (  um dos vários estilos literários que tivemos de estudar com a ‘pequena ditadora’…),  vale a pena lembrar o que aconteceu com Dominique Strauss- Kahn,  o super chefão do FMI , (que não  deu nenhum tiro , nem muito menos matou ninguem!) depois que andou se metendo a engraçadinho com uma camareira de hotel em Nova Iorque.  

Oh, well...

Mas talvez o maior sinal de subdesenvolvimento de um país seja mesmo  o seu baixo ( ou talvez devessemos dizer: baixíssimo!)  nível de educação .  E, ( pasmem!) ,  no caso do Brasil, o  próprio Ministério da Educação,  o MEC ,  em sua última  tirada de gênio,  resolveu  promover o livro  “Por uma Vida Melhor”  ( escrito com milhares de erros de  português)  e distribuí-lo  a 500 000 estudantes  ao custo de milhões de reais  para o bolso dos brasileiros. É sério.

 A ideía brilhante  por tras disso tudo é a de " transformarem  o português em uma língua ‘democrática’ e livre de regras criadas pela elite".

Que tal?  Não é de se tirar o chapéu?

 

Por fim e só para coroar,   dêem só uma olhada neste e-mail que recebi de um amigo professor no Brasil.  (Agora, depois de tirar o chapéu, nem que quisesse você conseguiria colocá-lo de volta pois depois de ler isto, seus cabelos estarão assim: {#emotions_dlg.leiria}

 

    

“ É lamentavel , mas  infelizmente é verdade...

São Leopoldo tem um dos menores índices de analfabetismo e de mendicância do país, talvez por causa de homens como este!

EMPRESÁRIO DE SÃO LEOPOLDO

Silvino Geremia é empresário em São Leopoldo, Estado do Rio Grande do Sul.

Eis o seu desabafo, publicado na revista EXAME:

 

‘Acabo de descobrir mais um desses absurdos que só servem para atrasar a vida das pessoas que tocam e fazem este país: investir em Educação é contra a lei .

Vocês não acreditam?

Minha empresa, a Geremia, tem 25 anos e fabrica equipamentos para extração de petróleo, um ramo que exige tecnologia de ponta e muita pesquisa.

Disputamos cada pedacinho do mercado com países fortes, como os Estados Unidos e o Canadá.

Só dá para ser competitivo se eu tiver pessoas qualificadas trabalhando comigo.

Com essa preocupação criei, em 1988, um programa que custeia a educação em todos os níveis para qualquer funcionário, seja ele um varredor ou um técnico.

Este ano, um fiscal do INSS visitou a nossa empresa e entendeu que Educação é Salário Indireto.

Exigiu o recolhimento da contribuição social sobre os valores que pagamos aos estabelecimentos de ensino freqüentados por nossos funcionários, acrescidos de juros de mora e multa pelo não recolhimento ao INSS.

Tenho que pagar 26 mil reais à Previdência por promover a educação dos meus funcionários?

Eu honestamente acho que não.

Por isso recorri à Justiça.

Não é pelo valor em si , é porque acho essa tributação um atentado.

Estou revoltado.

Vou continuar não recolhendo um centavo ao INSS, mesmo que eu seja multado 1000 vezes.

O Estado brasileiro está completamente falido.

Mais da metade das crianças que iniciam a 1ª série não conclui o ciclo básico.

A Constituição diz que educação é direito do cidadão e um dever do Estado.

E quem é o Estado?

Somos todos nós.

Se a União não tem recursos e eu tenho, acho que devo pagar a escola dos meus funcionários.

Tudo bem, não estou cobrando nada do Estado.

Mas também não aceito que o Estado me penalize por fazer o que ele não faz.

Se essa  moda pega, empresas que proporcionam cada vez mais benefícios vão recuar..

Não temos mais tempo a perder.

As leis retrógradas, ultrapassadas e em total descompasso com a realidade devem ser revogadas.

A legislação e a mentalidade dos nossos homens públicos devem adequar-se aos novos tempos.

Por favor, deixem quem está fazendo alguma coisa trabalhar em paz.

E vão cobrar de quem desvia dinheiro, de quem sonega impostos, de quem rouba a Previdência, de quem contrata mão-de-obra fria, sem registro algum.

 

O fiscal do INSS acredita que estou sujeito a ações judiciais.

Segundo ele, algum empregado que não receba os valores para educação poderá reclamar uma equiparação salarial com o colega que recebe.

Nunca, desde que existe o programa, um funcionário meu entrou na Justiça.

Todos sabem que estudar é uma opção daqueles que têm vontade de crescer...

E quem tem esse sonho pode realizá-lo porque a empresa oferece essa oportunidade.

O empregado pode estudar o que quiser, mesmo que seja Filosofia, que não teria qualquer aproveitamento prático na nossa  Empresa Geremia.

No mínimo, ele trabalhará mais feliz'

 

 "No  futebol, o Brasil ficou entre os 8 melhores do  mundo e todos estão tristes. Na  educação é o 85º e ninguém  reclama..."

EU  APOIO ESTA TROCA

  Troque 01 PARLAMENTAR POR 344  PROFESSORES 

                                         Salário de 344 professores que ensinam  = ao  de 1 parlamentar que rouba 

Repasso  com solidária preocupação"

 

 

Agora me digam , diante de tudo isso,  de que adianta se ter um PIB que passa dos 2 trilhões de dólares??

 

 

 

 

 

sinto-me: Infelizmente nada surpresa...
publicado por Pâmelli às 18:15
link do post | Comentários | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 23 de Fevereiro de 2011

Queria ter as mãos ( e a manicure) da Fátima Bernardes!

 Categoria de post:  Vida fútil  mas nem tanto...

 

Hoje estava eu ali na minha  penosa aula  de matemática ouvindo a  Professor  J. falar sobre ‘investimentos, C.Ds, mutual funds’ e sei lá mais o quê... quando de repente me peguei observando suas mãos.   Isso mesmo. ( Apesar de tudo, eu ainda continuo ‘brasileira’ , pelo menos em alguns aspectos...lol)

 

Desde que me mudei para os E.U. , oito anos atrás,  uma das coisas que me deixa extremamente frustrada aqui é o estado das mãos das mulheres – inclusive as minhas!

A verdade é que no ‘Primeiro Mundo’ ( Sorry, mas eu continuo usando os termos antigos  ‘Primeiro’ e ‘Terceiro’ Mundo , ao  invés dos bem mais politicamente corretos ‘ País Desenvolvido’,  ‘em desenvolvimento’  ou  ‘emergente’... ),  tirando algumas poucas  milionárias , celebridades ou dondocas de carteira assinada... ,  as mãos da maioria das mulheres são  um CACO!

   Secas, prematuramente envelhecidas , raramente pintadas ( ao contrário dos pés – o que aliás, eu nunca entendi...) e quando o são,   PESSIMAMENTE !

 ( E isto se aplica tanto aos países da Europa quanto aos E.U...)

 

Vida de Primeiro Mundo é assim.  

 Nada de empregadas, faxineiras, cozinheiras de forno e fogão...

Aqui, quem quiser comer direito e não virar uma ORCA já  no seu  segundo ano de E.U.  , tem mais é que ir para a cozinha fazer sua própria comida  fresca, saudável e não engordativa.

Pra começar, na maioria dos restaurantes a comida é ruim, excessivamente salgada e servida em quantidade para alimentar um T-Rex !    Por outro lado,  comprar na rua e trazer para comer em casa também não ajuda muito – nem no seu bolso , nem na balança.

Resultado:  Você tem duas opções:  ou fica magra  e com as mãos a-ca-ba-das ( por viver na cozinha dia sim e o outro tambem...) ;  ou fica gorda , mas com suas mãos com a pele ‘direita’  ( mesmo que não esteja com as unhas feitas e pintadas...) .

 

Mas voltando à Professor  J...

Trata-se de uma senhora nos seus sessenta e poucos anos  -  e magra. ( Coisa rara por aqui...)

Sim,  pode-se dizer que Professor  J. é uma ‘americana à moda antiga’.  E , apesar de saber muito sobre matemática ( ela é formada em West Point e tem um PhD...) , suas mãos mais se parecem as de uma faxineira !

  Minha conclusão:  ela deve cozinhar para a família regularmente -  assim como eu aqui em casa.  Comida descente,  saudável , feita com legumes frescos e molhos feitos em casa...  Eis a explicação para o seu corpo direito ( em um país onde a maioria  das pessoas é OBESA...) e  suas  mãos horríveis.

 

 

Ainda na minha aula de College Math , existem pelo menos mais duas mulheres ‘velhas’ ( assim como eu , lol) ,  na faixa dos 40.     E guess what:   As duas são gordas (  grande novidade...) ,  MAS   têm as mãos ‘direitas’!  (  Não digo que sejam pintadas e bem cuidadas, como seria o caso se elas morassem no Brasil... – mas têm a pele boa, sem estar  prematuramente ressecada , enrugada ou cheia de veias.)

Ou seja:  em minha aula de matemática, as duas mulheres magras ( eu e a professora) , têm as mãos acabadas.  Já as duas gordas,  têm as mãos direitas .  

Caramba, dá até pra fazer uma fórmula :  Mulher gorda = mãos normais ;  mulher magra = mãos acabadas !

( As mocinhas de vinte e poucos  não contam pois,  com certeza, ainda não cozinham para a família - além de  ainda estarem com o tempo totalmente à  seu favor ! )

 

Quanto à  mim,    procuro fazer o que posso com minhas mãos.  

Ando sempre com um creminho na bolsa – e outro permanentemente no porta-luvas do carro. Ao fazer serviço doméstico ,  sempre uso luvas.  Mas na hora de cozinhar....Fazer o quê?  São várias as vezes que lavamos as mãos enquanto cozinhamos, cortamos os legumes, lavamos uma fruta... ( É  ou não é?) .  E a prova que  é a COZINHA o que acaba com nossas mãos, eu tenho cada vez que saio de férias e fico vários dias sem cozinhar:  a aparência de minhas mãos melhora consideravelmente!

 *Suspiro*

 

Se você ainda é uma  daquelas mulheres que tem algum talento para pintar as próprias unhas, ainda conseguirá  disfarçar o dano imposto às suas mãos por suas excursões pela cozinha. 

Infelizmente para mim,  não sou uma delas.  Meu talento como manicure é ZERO.    Portanto só o que faço é lixar e passar uma base.  ( De uns tempos pra cá comecei a pintar com uma cor clarinha, tipo cintilante,  para pelo menos fingir que passei perto de uma manicure...)

 

Aliás, as manicures por aqui são dignas de um post por si só.

A maioria é vietnamita e cada uma é pior do que a outra.  Não sabem lixar,  não sabem tirar  a cutícula e muito menos pintar.  E cobram no mínimo $20 dólares a manicure!

 

Se você é brasileira , ( mesmo que não seja rica) saiba que é muito mal acostumada em termos de manicures, cabeleireiros e empregados.  E no dia em que se mudar para o ‘Primeiro Mundo’ ( seja para trabalhar, estudar ou casar...), pode apostar que  vai se lembrar deste post.

 

Já as outras mulheres nascidas e criadas a vida toda no ‘Primeiro Mundo’ ( e portanto sem jamais terem conhecido estes serviços ótimos e baratos que gozamos no Brasil...)  vão concluir  que não passo de uma  fútil dondoca.  Que seja.

(A  verdade é que  quem viveu a vida toda comendo filé mignon , no dia que tem que comer um hamburger torce o nariz.  Já quem  foi vegetariano a vida toda,  não percebe a diferença e acha que tudo não passa de coisa de carnívoro metido a besta.)

 

Então é isso colegas.

Se algum dia  uma de vocês se mudar para  o lado de cá,  lembre-se que ,  a  menos que passe a servir sopas enlatadas Campbell's  e  coxinhas  fritas  do KFC  ( esquentadas no microondas ) ,como ‘jantar’ para sua família ( o que fatalmente  deixará você, seus filhos e seu marido com o corpo parecido com o  de uma ORCA ... )  , é bom se preparar:

Na  melhor das hipóteses ( isto é, se você viver  eternamente com um creminho dentro da bolsa e se der ao trabalho de  passar um esmalte de vez em quando...) ,  suas mãos ficarão ASSIM !     

Ou seja:  NADA,  NADA parecidas com as da Fátima Bernardes  ( só queria saber que manicure é a dela! Lol) , ou mesmo a de qualquer colega  ou conhecida sua no Brasil.

 

P.S.

Looking at the bright side... Não importa o quão horrível estejam , aqui  ninguem  repara. 

  Sem falar que  você pode  sair às ruas com seu solitário,  sem medo nem culpa...

 

 

 

 

 

sinto-me: Frustrada com minhas mãos
publicado por Pâmelli às 23:05
link do post | Comentários | favorito
Terça-feira, 4 de Maio de 2010

Um bom romance para o verão!

 

Categoria de post:  propaganda e networking

 

 

Ok, já que vivem enchendo minha caixa de mensagens com anúncios de desconhecidos, spams e o diabo...

Hoje eu venho aqui ( no meu próprio blog) para fazer o anúncio do meu livro 'Copadrama- a Brazilian Tragicomedy'!!

 

Afinal,  as férias de verão estão  chegando .  Então, se você gosta de ler o 'Parada',  romances de um modo geral,  tem algum interesse em especial pelo Brasil, sua cultura e seu  povo,  voilà :  COPADRAMA - uma obra de ficção mas nem por isso um retrato menos fiel da vida e realidade classe média carioca...-  é  seu livro 'de cabeceira',   'de avião' ou 'de beira da piscina' ! lol

 

Romance, drama, cultura brasileira,  humor e uma boa dose  de  ironia sacana ... lol

 COPADRAMA - A BRAZILIAN TRAGICOMEDY  só pode ser comprado pela Amazon.   É só clicar no anúncio do livro aqui no blog para entrar na página de vendas .  ( É claro que se você me conhecesse pessoalmente , poderia encomendar o livro  diretamente comigo e receber um exemplar  autografado, hehe. ) 

 

 

Nota:  Recomendo o romance especialmente para aquelas mulheres viajadas, com senso de humor e o espírito romântico. 

Mas se você fôr homem e não gostar do gênero 'chick-flick' , sempre  pode encomendar um exemplar para a  namorada, mãe, irmã, colega de trabalho... -desde que ela leia bem em inglês,  pois é somente nesta língua que o livro foi publicado até o dia de hoje.

BTW :  a tradução foi feita por alunos meus  de português avançado - todos eles native English  speakers :-)

 

Taí.    Enjoy the ride, guys

 

COPADRAMA -  A Brazilian Tragicomedy  is   a great 'Summer novel' to help pass your time on the plane,  to enjoy with a glass of cairpirinha by  the pool ...- or simply to be read in your 'little depressed  corner of the world' ...  lol ( Sometimes we just need to 'get away' from it all, don't we ??)

Note:  It's only available in English  ( but has a great little glossary of Portuguese terms and  cultural expressions - including some pretty  BAD ones at the end of it !!)   

 

 

Fui!

 

 

                                           Pâmelli -  a autora 

 

 

P.S.   Para a galera lusófona... Sorry, mas o  livro só está disponível em inglês. 

         ( Quem sabe um dia não publico o original em português ??)   

 

E a propósito...

Continuo esperando topar com o Bruno Barreto em algum lugar e convencê-lo a transformar o livro em um filme com o Gianecchini e o Santoro nos papeis principais! lol

 

 

 

sinto-me: Networking...
publicado por Pâmelli às 18:15
link do post | Comentários | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 13 de Janeiro de 2010

Entre o Lago de Como e Monte Carlo...

 

 

( Bellagio,  no Lago de Como. Bem pertinho de onde mora o George...)

 

 

Categoria de post:  Verdade inconveniente 

 

 Outro dia a seguinte cena (e diálogo )   se passou comigo e uma amiga brasileira aqui dos E.U.  Não é ficção.

 Estávamos no mall e como ela queria comprar alguns artigos de maquiagem, fomos até o balcão da Lancôme da Nordstrom.  ( Minha amiga, ao contrário de mim , que me contento com a 'maquiagem básica' da Wallgreens...lol,    só compra seu  'arsenal de beleza' na Clinique ou na  Lancôme...)

 

A vendedora era muito gentil e amável ( provavelmente imaginando a bela comissão que levaria...) mas ao perceber  seu  sotaque de estrangeira ao falar inglês,  de repente  lhe fez a seguinte pergunta:

 

- Qual é a sua língua nativa?

 

-Português ...- respondeu minha amiga meio a contra-gosto.

 

Então,  para a nossa surpresa  ,  a moça continuou :

 

-Português de Portugal?

 

-Não.  -  foi a única resposta que obteve de minha amiga, que,  logo em seguida ,  mudou de assunto perguntando-lhe  sobre um produto novo de sua coleção.

 

Mais tarde, enquanto tomávamos café no Café da loja ,   não resisti e resolvi perguntar POR QUE ela não tinha dito à vendedora que era do Brasil. 

 

-Você percebeu é?

 

- É claro que eu percebi!  E até agora a moça deve estar imaginando de onde você  é , já que não lhe respondeu a pergunta.

 

-É que não digo mais à ninguem aqui que sou brasileira.  Desde uma festa onde fui esnobada assim que souberam de onde eu era...

 

Ao invés de responder, eu apenas levantei as sobrancelhas , como que lhe dando o sinal para continuar.

 

-Outro dia estive em uma reunião  na casa de uma amiga.  Então,  a um certo momento ,  conheci um  americano,  aliás  bastante  interessante  e muito bem vestido ...,  que me abordou diante da mesa dos canapés.  O tipo havia se  interessado pelo meu nome (  minha amiga tem um nome meio  'literário-artístico' , do tipo 'Giselle',  'Penélope' , 'Cassandra', 'Marguerite' etc...) e logo eu descobri porque.   O cara era  muito entendido  e gostava de literatura.  Talvez fosse professor universitário, sei lá... 

 

-E então?

 

-Então que conversamos muito animadamente durante algum tempo até ele   me fazer a pergunta inevitável :   Este seu sotaque é daonde?

 

 Nota:  Minha amiga , que aprendeu inglês já adulta , tem um sotaque bem perceptível.

 

-E você?

 

-Lhe disse que era do Rio de Janeiro, Brasil...

 

-E?

 

-Primeiro ele não fez qualquer comentário.  Logo depois, virou-se discretamente como que para se servir de algo e nunca mais voltou sequer a me dirigir um olhar e muito menos a palavra!

 

Por estas alturas eu já estava rindo.  Por fim eu lhe disse:

 

-Mas você não pode simplesmente não responder quando lhe perguntam de onde é!

 

 -No futuro vou mentir.  Digo que sou de outro lugar.

 

-Diz que é de Portugal.  A maioria das pessoas  aqui nunca vai saber a diferença...

(Rindo mais )

 

-Que Portugal , que nada.  Portugal é a cozinha da Europa!

 

-ERA a cozinha da Europa.  Agora é a varanda , com vista de frente.  A cozinha agora são os países do Leste Europeu.  Em todo caso ,  é melhor do que dizer que é brasileira....

(Rindo, mais e mais...)

 

-O homem até que era interessante.  E pareceu tão interessado até saber de onde eu vinha!

 

-Estranho a reação dele.  Em geral aqui nos E.U. , quando alguem ouve que sou brasileira recebo uma destas três reações:  1)  a exclamação naive   -   ' Eu sempre quis  viajar para o Brasil e conhecer o Rio  !'  , ( Daí  eu penso , mas não digo :  ' BOA SORTE então. E não se esqueça de fazer um bom seguro de vida pra sua família  antes  de tomar o avião...'   2)  a  exclamação babaca  -  ' Ah, as mulheres brasileiras são as mais bonitas do mundo ! ' ( Em resposta a esta eu costumo apenas revirar os olhos , antes de responder:  'Depende do gosto pessoal de cada um...')  ou 3) a  exclamação 'puxa-saco' '  : '  Ah, o Brasil já  é uma grande potência econômica ! ' ( Ao qual eu costumo responder meio irritada , já que isto só me lembra o Lula cantando as  supostas 'glórias' do Brasil  mundo afora : 'Realmente, uma 'grande potência econômica'. E  tambem, nunca  na história daquele país,  houve tanta roubalheira  descarada , tanta impunidade e violência nas cidades...! '

Mas enfim..., o fato é que nos E.U.  os americanos AINDA tem uma impressão bastante favorável do Brasil , dos brasileiros e até das brasileiras.  Ao contrário da Europa. 

 Por isso  a esnobada do  seu ex-fã  na festa de sua amiga ,  pra mim,  é no mínimo intrigante...

 

-Vai ver ele foi traído e trapaceado  por alguma ex-namorada brasileira trambiqueira...

 

-Ou teve algum amigo assaltado ou morto na Praia de Copacabana...

 

-Ou então costuma viajar pra Europa ,  onde tem amigos portugueses que falam  mal dos brasileiros...

 

-Vai ver ele simplesmente lê o jornal e assiste à CNN !  Aquela estória do helicóptero da polícia sendo derrubado pelos traficantes é meio braba...

 

Agora nós duas já estávamos chorando de tanto  rir.

 Então, após uma pausa para enxugar as lágrimas:

 

-Queria  mesmo era poder dizer que sou norueguesa...

 

( Minha amiga tem uma admiração toda especial pela Noruega que, segundo ela,  é um país 'sério,  bem frio :-)),  limpo, civilizado e rico!'  -  sem falar que tem o mais alto nível de educação e as melhores escolas do mundo...)

 

 -  É simples.  Você diz que nasceu prematura de 8 meses,  em um navio norueguês, ( risos quase incontroláveis) enquanto  seus pais  faziam um cruzeiro de luxo  pelos fiordes...

 

-Mas eu não falo norueguês.

 

-Não.  Por isso tem que dizer que é 'uma norueguesa que  foi criada no Brasil....'

 

-Mas  isso estraga tudo!  A idéia é dizer que venho de um país rico,  desenvolvido...Chique.

 

Então após  uma pequena pausa ,  eu lhe disse:

 

-Hum... A Noruega não é exatamene 'chique'.  Mas na próxima vez que lhe perguntarem de onde  você é, você  diz  que nasceu em  um  lugar  pouco conhecido chamado ' Dom Pérignon' .

 

-Dom Pérignon??

 

-É.  Você diz que é um  antigo protectorado português,  da época dos grandes navegadores, entre o Lago de Como e Monte Carlo.  Uma espécie de 'País do Vaticano' , só que sem o lado religioso...

 

-'Entre o Lago de Como e Monte Carlo'  soa muito bem.  O problema é a geografia que não convence...

 

-A maioria das pessoas aqui mal sabe onde fica a Itália - quanto mais o Lago de Como ou Monte Carlo ! Geografia nunca foi o forte dos americanos.

 

Então com  um meio sorriso e um novo brilho nos olhos, minha amiga falou  como se estivesse pensando em voz alta:

 

- D. Perignon...Entre o Lago de Como e Monte Carlo...  Gostei.  Vou pensar seriamente no assunto.

 

 

 

 

 

 

 

sinto-me: Rindo da 'desgraça' alheia...
publicado por Pâmelli às 21:31
link do post | Comentários | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 18 de Novembro de 2009

O Brasil no 'The Economist'

 

Esta semana a capa da revista 'The Economist'  mostra a estátua do Cristo Redentor com sua base pegando fogo - assim como se fosse um foguete prestes a decolar.

 

A reportagem sobre o Brasil cobre 14 páginas e é bastante interessante -  e verdadeira.

 

De fato,  toda vez que  ouço alguem me dizer que o Brasil está indo muito bem e será a nova 'Grande  Potência do Futuro...' ,  não consigo  evitar  de sentir um calafrio - uma espécie de reação  automática que me passa pelo corpo,  como que dizendo:   Heim?  Says who??

 

É que quando penso em uma 'Potência Mundial'  -  e talvez minha definição pessoal de 'potência' não tenha nada a ver com a realidade...- imediatamente me vem a mente um país desenvolvido,  com  a maioria de suas estradas asfaltadas, onde raramente se ouve falar em assaltos dentro ou fora das cidades,  oferecendo educação gratuita e TÃO BOA  aos seus cidadãos, que raramente alguem ( mesmo alguem extremamente bem de vida !)  pensa em mandar seu filho para  uma escola particular;  um país com um sistema de saúde público excelente  ,  com as ruas de suas cidades  limpas e livres de pedintes e crianças abandonadas,  onde favelas são coisas que só se vê em  'cartões postais' de OUTROS países;  um  lugar  onde pessoas ricas e importantes TAMBEM vão presas e  onde  os políticos têm vergonha de roubar,  ou pelo menos MEDO de serem pegos!

 

Então,  analisando o  calafrio involuntário que costumo sentir em tais ocasiões  ,  sou obrigada  a chegar  a conclusão de que essa reação física  que experimento,  nada mais é  do que um  misto de  tédio, incredulidade, ceticismo ...  e talvez lá no fundo,   uma pontinha de esperança.

Mas logo as imagens de minha última estada ( geralmente de poucas semanas ou meses atrás ...)  no Gigante do Sul me vêem a mente como em um flashback desagradável  e,   assim como um balão de ar  picado por uma agulha,  estouro, murcho e é como se jamais tivesse existido. 

 

 

Mas voltando à reportagem que fala  sobre  o Brasil no 'The Economist'  desta semana...

Fazia tempo, muito tempo ,  que não lia algo tão claro, objetivo e sem falso sentimento de patriotismo ,  mas ao mesmo tempo com uma mensagem de esperança e otimismo.

Gostei especialmente da parte onde  o autor compara os Estados Unidos e o Brasil , no que cada país tem de parecido e diferente.  E da parte onde descreve o  Gigante do Sul  como sendo DOIS países separados:  1)   Um lugar  onde não há guerras,  onde se fala a mesma língua em todo  o seu imenso território,  onde não há conflitos religiosos, onde 1/3 da população vota (  mas cá entre nós,  sabemos que somos  OBRIGADOS a fazê-lo, não ? ) e onde o resultado das eleições sai no dia seguinte;  um país com um mercado financeiro sofisticado e com uma coleção cada vez mais crescente de companhias nacionais  de importância mundial   (Embraer, Petrobrás, Vale do Rio Doce, Odebrecht etc...)

2) O outro  Brasil é aquele com um número altíssimo de assassinatos ( 45,000 mil por ano)  e uma polícia  truculenta;  um em que muitos ( a maioria?)  dos seus políticos não vêem nada de mal em roubar e se recusam a renunciar quando são pegos com a boca na botija.  Um lugar onde 17% das casas não têm água corrente e onde milhões de pessoas  vivem em barracos no meio de  favelas.  Um lugar onde muita gente condenada por crimes hediondos ( muitos inclusive réus confessos , como é o caso do Sr. Pimenta  Neves...) nunca vai presa  e , por fim,   um lugar onde ocorre diariamente uma das maiores devastações ambientais .

 

Last but not least... O artigo do 'The Economist ' dá crédito àquele  personagem na história recente do Brasil,  VERDADEIRAMENTE  responsável por 'todo este atual milagre econômico'   - 'milagre' aliás, que só foi possível ocorrer graças à estabilização da economia com a  adoção do Plano Real em 1994 ;  aquele que , com sua troupe de experts econômicos , conseguiu   transformar um país com uma moeda completamente desmoralizada e inexistente no mundo lá fora e uma inflação com média anual de  764% entre 1990 e 1995,  no que  temos hoje : Um país com uma moeda forte e respeitada mundialmente e com uma  inflação anual na faixa dos 6% ( 5,9% em 2008)

Em suma,    aquele que deixou esta 'herança bendita'  para o  atual governo : 

Fernando Henrique Cardoso.

( Sim,  quem tinha pelo menos 20 anos em 1994,  se lembra  de um Brasil MUITO diferente deste que temos hoje em dia !!) 

 

Mas pra mim,  talvez a frase mais interessante  e a que resume melhor tudo o que foi dito ao longo da reportagem da revista  sobre o Brasil , seja esta: 

"Judged against its own past, Brazil is doing astonishingly well.  Judged against its potencial, it still fares poorly.'

( A julgar pelo seu passado , o Brasil está se saindo incrivelmente bem.  A julgar pelo seu potencial,  ele ainda está indo muito mal...'

 

 

Então,  PARABÉNS   'The Economist' ! - por um artigo tão bem escrito, informativo e  cheio de insight.

No futuro, quando ouvir novamente algum estrangeiro ( os brasileiros que conheço  costumam ser mais pessimistas...)  me dizer  ' Poxa,  ao que parece , o Brasil está mesmo indo muito bem e será uma das grandes potências nos próximos anos!' , é  possível que ao invés de sentir  um calafrio  me correndo  pela espinha,  eu apenas abra os olhos e levante as sobrancelhas numa ligeira expressão de incredulidade misturada à um certo  cinismo -  mas nem tanto. 

 

 

sinto-me: Menos cética,mais esperançosa
publicado por Pâmelli às 19:13
link do post | Comentários | ver comentários (6) | favorito
Domingo, 8 de Novembro de 2009

Uma luz no fim do túnel?

 

É sempre pela última página da VEJA, (a  revista que recebo semanalmente aqui nos E.U...)   que começo minha leitura.  A coluna de Roberto Pompeu de Toledo sempre foi a minha preferida e eu simplesmente ADORO tudo o que o homem escreve! 

Só que já faz algum tempo que o jornalista  anda dividindo seu espaço na revista  com um outro - J.R. Guzzo....

 

Confesso que fiquei muito chateada quando isto aconteceu ( cerca de um ano atrás??)  pois o meu 'Roberto semanal' , já tinha se tornado  a minha xícara de  café  da manhã !

Sim,  se nunca mais pudesse tomar café na vida,  sei que bem poderia me safar  ao desjejum  com uma xícara de chá  preto ou mesmo um pote de cereal com iogurte... Mas definitivamente não seria a mesma coisa!  lol

 Mas enfim,  voltando ao Roberto... O jeito foi me resignar  e passar a ler seus ensaios apenas de duas em duas semanas...

 

But don't get me wrong : J.R. Guzzo não é nada mal .

Gosto de seus ensaios  ( Adorei em especial, aquele - 'No quarto escuro'- :-)) , de 16 de setembro ,  em que ele sugere que o Lula deveria passar  a fazer 'umas duas sessões de terapia semanal...')

 

Contudo,   foi em seu excelente artigo , 'A capital perdida' - da edição de 14 de outubro-  que J.R. Guzzo se superou!

 

Eis o resumo , em  algumas frases,   do que  ele  diz sobre o Rio de Janeiro,  hoje a EX-capital do Brasil: 

 

" Até  abril de 1960, o Brasil tinha o que poderia haver de mais próximo , no mundo inteiro , a uma capital perfeita.  A partir dalí , perdeu-a para sempre' .

 

" Não foi o Rio de Janeiro que perdeu o direito de ser a capital do Brasil.  Foi  o Brasil que perdeu o direito de ter sua capital no Rio de Janeiro."

 

"Nos anos seguintes, o Rio de Janeiro se viu castigado por alguns dos piores governos já registrados na história humana. A certo momento , por decisão de Brasília, chegou-se pura e simplesmente, ( em 1976)  à demolição física do Palácio Monroe, um dos principais monumentos da arquitetura carioca e antiga sede do Senado Federal.'

 

" Bendita Olimpíada de 2016, portanto. Já estava mais do que na hora de ser tomada alguma grande decisão em favor do Rio de Janeiro, e sua escolha como sede dos Jogos Olímpicos pode ser um momento de virada.'

 

"...não temos um histórico bom quando se colocam na mesma frase as palavras governo, verbas e obras - daqui até a cerimônia de abertura do Jogos, o público vai se cansar de ouvir notícias sobre obras erradas, obras malfeitas, obras atrasadas, obras abandonadas, obras caras demais e, até, verbas sem obra. MAS TUDO TERÁ VALIDO A PENA, CERTAMENTE, SE NA CERIMÔNIA DE ENCERRAMENTO O RIO ESTIVER MELHOR DO QUE ESTÁ HOJE.'

 

Bravo,  J.R. Guzzo!!

Pessoalmente,  se fosse um atleta, mãe de  um atleta ou mesmo um turista que pretendesse viajar para assitir aos Jogos Olímpicos de 2016,  preferiria tomar um avião e desembarcar na limpa , rica e organizada cidade de Chicago;  ou quem sabe  na bela e , tambem desenvolvida , Madri...

( Tóqui eu já não digo, pois apesar de segura  e desenvolvida...  , tem , a meu ver , dois gravíssimos defeitos : gente demais e terremotos!

 

MAS,  como brasileira e carioca, não posso deixar de pensar como J.R. Guzzo.

Tudo vai ter valido a pena se o Rio conseguir , ( ao  se preparar  para sediar as Olimpíadas de 2016...) ,  se reerguer e,  ao menos em parte,  sair  do fundo do poço onde se meteu.

 

sinto-me: Com uma ponta de esperança
publicado por Pâmelli às 18:05
link do post | Comentários | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 20 de Outubro de 2009

Passeio literário, cultural e gourmet pelo Centro do Rio ...

 

Nota:  Este post foi escrito há umas 2 semanas,   quando eu  ainda estava no Rio. Meu marido passou o dia  trabalhando online,  e eu resolvi 'dar uma volta até o passado '-  ou o que ainda resta dele no Rio ! 

O post é   looooongo!  Portanto se decidir ler,  pegue uma  boa xícara de café , acomode-se bem e boa sorte!  lol )

                                               ---

 

 

O Centro do Rio  continua tumultuado , com toneladas de carne humana saindo e entrando dos prédios imensos a todo momento . Gente corajosamente caminhando por entre os ônibus e carros, que param descaradamente nas faixas dos pedestres. Um formigueiro de pessoas, cruzando e descruzando as ruas a cada segundo.
 
As ruas,  assim como me lembrava , continuam sujas - principalmente dos papéis de anúncios de 'cartomantes' , , 'restaurantes à quilo' , 'casas de câmbio' e de 'compro ouro' ...que são dados aos pedestres . Coisa totalmente inútil ( além de anti-ecológica...) já que a maioria nem presta atenção no papel que pega e imediatamente faz uma bolinha e joga ...na rua! 
 Penso que deveria haver uma lei contra isso . Digo, tanto o ato de distribuir papéis de anúncios particulares aos passantes , quanto o fato de se jogar lixo na rua.
 
Mas enfim , algumas coisas interessantes ( que não foram demolidas ou ainda não fecharam ou faliram....) ainda sobraram no Centro do Rio. Eis um resumo do que fiz por lá e o que descobri nas várias horas que explorei aquela parte da cidade:
 
Minha longa caminhada começou no número 1 da Av. Rio Branco, no belo prédio comercial onde tem a única lojinha da Kopenhagen (fundada em 1928)  na cidade - pra mim , o melhor chocolate que há no Brasil! -   e que serve almoço e pequenas refeições. Super gracinha!
 
Então lá fui eu, seguindo pela  longa avenida em direção ao Aterro - ou Av. Beiramar. Ao todo são 1.800 metros.
Passei por algumas livrarias - sendo que a Travessa  é especialmente charmosa. Na entrada,  vemos logo  uma bela porta azul, com uma nau à moda antiga trabalhada na madeira pesada. Uma rápida 'travessia' até o passado...
 
O café lá em cima é uma ótima opção para almoço ou fazer uma pequena pausa para melhor folhear o seu recém-adquirido 'O Alienista'  ou ' Cem Sonetos de Amor' de Neruda. :-)
Na Travessa, ( ao contrário das outras livrarias  mais americanizadas  'globalizadas' que descobri ao longo da Av. Rio Branco e arredores...) ,  a parte de 'literatura brasileira'  não envergonha.   Ao menos,  há dois setores distintos dedicados aos autores nacionais e alí você não corre o risco de encontrar o seu Jorge Amado ou Machado de Assis dividindo a mesma estante com  um Dan Brown, Michael Crichton  ou Danielle Steel!
( Nada contra nenhum destes autores. Aliás, do Dan Brown sou particularmente fã.  Mas penso que as livrarias no Brasil poderiam ter um pouco mais de 'respeito'  e valorizar mais os autores nacionais - mesmo estando ciente de que nas listas dos best-sellers aqui,  quase todos os livros são de autores estrangeiros... )
 
                                     ---
 
Ainda na Rio Branco, entrando no edifício Marquês do Herval, desce-se uma interessante escada redonda e chegamos na SUPER livraria 'Leonardo da Vinci'.
Alí encontramos todo o tipo de literatura - desde os tempos 'clássicos' até o presente. Livros em inglês, francês, alemão, espanhol...Simplesmente fantástica a 'Da Vinci' ! E tem de quebra o  'Gioconda Café' ,  que tambem serve almoço. 
Ah! E como se isto não bastasse, o sebo 'Beringela' fica alí ao lado!
Sim porque se você não tem 50, 70... reais para comprar um dos 'clássicos' novinho em folha, no 'Beringela' você os consegue em edições antigas ( muitos deles de capa dura e em edições muito mais bonitas do que as modernas...) por 6, 7, ou 10 reais !!
 
Resumo da ópera:  Saí de lá com meia dúzia deles ( afinal isto é o que não consigo comprar nos E.U...) , incluindo uma capa dura de 'Gabriela Cravo e Canela', ' O Crime do Padre Amaro' e ' Corpo Vivo' . 
Minha visita ao Edifício Marquês do Herval definitivamente valeu a pena!
 
Naturalmente , nesta minha excursão pelo centro histórico do Rio, tive de dar um pulinho até a Confeitaria Colombo ( de 1894) , sentar em uma de suas mesinhas de mármore,  tomar um suco de laranja feito na hora e comer um croquete e uma empada !  Um pit-stop mais do que necessário e merecido. Ufa!
Apesar de toda a agitação e burburinho lá fora,  a Colombo continua com o seu charme e ar de 'Velho Mundo' .  .  
 O restaurante em cima serve almoço todo dia - um belo buffet que sai na faixa de 50 reais por pessoa. Bela, bela e histórica Colombo!
Nota: Não resisti e tive de tomar o elevador antigo até o segundo andar para tirar uma foto lá de cima. Comprei um saleiro e pimenteiro com o símbolo da loja. 
Realmente, uma visita a Colombo é um must para qualquer um que visite o Rio!
 
 
Ok, uma rápida escapulida até a rua Primeiro de Março e visita à Igreja do Carmo , de 1770 e que foi palco da sagração de D. João VI em 1816,  a igreja onde  D. Pedro I e D. Leopoldina se casaram em 1817 e ainda o local onde  D. Pedro I e II  foram sagrados!   
 Ah, mas como  está suja e poluída por fora...  Por que não se limpa e restaura os prédios antigos no Brasil??!  A única exceção parece ser o Teatro Municipal...
Mas dentro a igreja é belíssima e vale uma visita - mesmo pra quem não é religiosa ! lol   Digamos tratar-se de 'uma visita histórica e cultural''...
Entrei. Agradeci aos céus 'todas as coisas boas que tenho na vida...' e , de quebra, pedi mais algumas 'coisinhas' , lol.  Ora , por que não?
Pedir, como perguntar, não ofende.
 
 
Então cheguei na Livraria São José  - hoje no seu terceiro endereço. A dica me foi dada por um primo que conheceu bem meu avô e que sabe que faz anos que tento recuperar algumas de suas obras. 
"Vá até lá. - ele disse.  Seu avô  costumava frequentar muito a São José , que hoje é um sebo. Com sorte, talvez você até encontre alguma obra sua já há muito não publicada....'
Não encontrei nenhuma obra sua na São José. Mas conheci o atual dono, que conheceu e se lembrava muito bem dele!!
"Seu avô era um camarada muito divertido e muito sacana!  Grande intelectual. Costumávamos ir até o bar da esquina tomar uma 'batidinha de cana' . Na época eu era um meninote de uns 15 anos e trabalhava na loja .'" 
Yeah, that sounds a lot like my grand-father!  - pensei .
 
                            ---
 
 
Volta à Rio Branco. Vejo o belo prédio do Clube Naval. Me lembro de uma festa de casamento que fui lá há séculos.    Passo em frente e entro pra dar uma olhada no restaurante 'Vilarino'. O menu é requintado e o lugar mais parece uma cave...  Naturalmente tem uma excelente carta de vinhos. 
 
Passo pelo Teatro   Municipal  , a Biblioteca Nacional, o Museu de Belas Artes - todas as três construções da mesma época, o começo do Século XX. 
Que pena que as outras construções da avenida não tenham sido igualmente tombadas e preservadas! 
Em sua 'modernização do Rio'  , no começo do século passado ,  tudo o que conseguiram fazer com a Rio Branco foi transformá-la de uma charmosa avenida em estilo boulevard parisiense, em um primo pobre do Financial District de Nova Iorque!     
 
 
 
 A boa  notícia é que parece que há um movimento 'verde' querendo transformar a histórica avenida em  'rua de passeio , aberta somente para os pedestres! Por enquanto são só rumores, mas quem sabe o rumor se torna realidade??
Quem sabe não farão isto como parte da 'maquiagem' da cidade para o Rio 2016?
 
Na verdade é  pouco provável que mexam no Centro pois afinal lá não tem  nada a ver com 'esporte'. Mas quem sabe. Quem sabe ...
Pessoalmente,  gostaria de ver o Centro  limpo, restaurado e DESmodernizado!
A Rio Branco novamente  arborizada, cheia de cafés, livrarias, museus , cinemas  e restaurantes...- assim como era no começo do Século XX.  Na era pré-Pereira Passos!  
Uma avenida frequentada unicamente por pedestres...
Cultura, história e negócios - tudo no mesmo lugar.  Já imaginou?
 
Afinal, o Centro do Rio foi onde a cidade começou e apesar de todas as BARBARIDADES que sofreu em nome da 'modernização' ,  -demolições absurdas, aterros ridículos ( dá pra acreditar o que fizeram com a Praça XV, hoje um espaço aberto de puro cimento, sem o menor urbanismo?  O  antigo Cais Pharoux , hoje completamente enterrado nos livros de história!  ) , a destruição do Morro do Castelo ...-  Sim apesar de tudo isso ,  o Centro ainda tem o seu charme . E tem  principalmente algo que nenhum dos outros bairros, mais modernos e 'in fashion'  da cidade  têm : HISTÓRIA ! 
 
É pena que a grande maioria das obras realizadas para a Olimpíada de 2016 no Rio serão feitas na Barra da Tijuca - o bairro mais moderno, impessoal e americanizado da cidade ...  Os moradores da Barra que me perdoem , mas aquele bairro infestado de  nouveaux riches nada mais é do que uma cópia pretenciosa de nossa  velha e boa Miami! 
 Mas o fato  é  que é na Barra onde  restam ficam os espacos mais abertos da cidade;  as lagoas e a maior extensão de praia para a realização de vários eventos esportivos  - sem falar a parte com  o ar mais 'respirável'  para os atletas! 
 
Apesar de tudo , minha parcialidade pelo Centro do Rio continua imutável.
Quem sabe um dia alguem não resolve ressussitá-lo e fazer dele novamente um lugar digno de ser frequentado , não apenas por turistas de passagem pela cidade ou cariocas que 'são obrigados a ir lá todo dia para trabalhar...' , mas por todo o mundo  -  incluindo cariocas das Zonas Norte, Sul,  de cidades vizinhas como Petrópolis e Friburgo , da  própria Barra da Tijuca , onde  tantos jovens vivem  enfurnados em seus condomínios fechados  de luxo.  Pessoas que jamais estiveram no Centro do Rio e nem sabem nada a seu respeito!  
 
Quem sabe o tal projeto ' verde' da Av. Rio Branco não acontece mesmo e deslancha?
Um dia um tal de FHC conseguiu , depois de décadas de inflação desenfreada , estabilizar a economia brasileira.  ( E não , o mérito não é do governo atual.  Seu mérito é apenas o de não ter f*uck*d up  o trabalho de seu antecessor! )  
Milagres às vezes acontecem.  Penso que a estabilização da economia e controle da inflação no Brasil foi um deles.   Quem sabe daqui há 5 ou 10 anos a Av. Rio Branco no centro do Rio não terá se REtransformado em um boulevard cheio de canteiros, sem camelôs, sem carros ou ônibus,  apenas o metrô,  cheio de délis, restaurantes executivos, museus, livrarias e uma longa e larga calçada,  limpa de papeís de anúncios  e  frequentada por gente menos estressada,  calmamente andando de mãos dadas,  ao invés de correndo e se acotovelando uns aos outros ?
Será isso uma quimera?  Talvez.   Mas a esperança é a última que morre...  
sinto-me: Esperançosa quanto ao Centro
publicado por Pâmelli às 18:39
link do post | Comentários | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 16 de Outubro de 2009

De volta a casa!

 

 

Que surpresa!

Depois de tanto tempo sem aparecer no 'Parada'  ou publicar nada ,  pois não é que hoje volto e,  logo cedo, vejo que já tenho mais de 60 visitantes!

Coisa mais estranha ...-  tanta gente continua passando por aqui e quase ninguem comenta o que escrevo. Será que é porque concordam com a maioria das  minhas idéias ?? - ou discordam inteiramente delas ao ponto de se verem impelidas a voltar ao blog só  para  saber qual foi 'o último absurdo'  que escrevi ??   lol

 

Anyway,  o fato é que esta semana voltamos ao Texas!

Home sweet home...

Como é bom estar de volta à casa...Rodeada de  nossos babies ,  Lila e Senninha,  e desfrutando  de TANTO  ESPAÇO!  ( Havia me esquecido do quanto nossa casa é  grande -  embora aqui , na América , ela seja considerada 'normal'  e para algumas pessoas até 'pequena'...lol)

Como tudo é relativo!

 

Uma coisa que notei especialmente nesta vez que voltamos ao Brasil - e que foi bem mais longa do que as outras ( 6 semanas!!)...- é o quanto  a maioria dos lugares é  apertado , mobiliado em excesso e com pouco espaço !  Mesmo as casas das pessoas mais 'bem de vida' , classe média ou classe média alta, costumam ser entulhadas de coisas. 

 O espaço é sempre limitado e os tapetes, móveis, quadros, estantes, poltronas, sofás etc... parecem que INVADEM o ambiente e o dominam completamente!

A 'arte de se esgueirar por entre os móveis' é uma importante técnica a ser desenvolvida quando se vai ao Brasil e especificamente ao Rio onde os apartamentos são tão apertados!

 

 

Enfim,  este é um post apenas  para dizer  'HELLO I'M BACK' !

 

Na verdade  escrevi um último ainda no Rio , ( descrevendo  minha excursão à pé pelo Centro da Cidade...)  mas não tive a ocasião de postá-lo quando ainda estávamos lá.

 Será portanto o próximo . Uma espécie de Good-bye Rio-e-até-a-próxima- post...

 

 

Quanto à nossa visita à Cidade Calamitosa e reencontro com os amigos e família...No cômputo geral foi muito bom.

Bom rever todo o mundo.  Bom relembrar alguns lugares e programas conhecidos.  Bom conhecer lugares novos .  Bom , principalmente,  para  se fazer um balanço  de sua própria realidade  -  em outras palavras: um reality check!

 

Penso que quem mora fora do Brasil deve sempre dar um jeito de voltar, nem que seja de 2 ... de 3 em 3 anos. ( Claro que isto não é possível para quem está vivendo de maneira ilegal lá fora...) .

O fato é que o tempo costuma apagar ,  ( ou ao menos turvar...)   a nossa  visão realista do mundo.   Embaça a memória.  Idealiza as coisas e tambem as pessoas.  Visto de longe ( da T.V.,  das fotografias,  dos postais....) tudo parece muito mais verde, azul, dourado, alegre, romântico e vívido! Ao vivo,  contudo,  e  no dia a dia,  a coisa é bem diferente -  e não apenas na Cidade Calamitosa. ( Nós tambem estivemos em Búzios  e Jericoacoara no Ceará ...)

 

Incrível foram as coisas que eu ouvi,  que soube , que descobri fazerem parte do quotidiano da maioria das pessoas consideradas 'privilegiadas'  no Brasil.  Coisas revoltantes,  absurdas,  intoleráveis e inadmissíveis em  qualquer  sociedade mais civilizada. Casos de corrupção,  incompetência,  violência,  desrespeito e injustiça  para com  os cidadãos daquele país.

 No final de minha estadia, minha conclusão foi a seguinte ( na verdade algo que eu já pensava e que apenas serviu para ser confirmado após estas 6 semanas passadas lá...) :  se você é um daqueles brasileiros que já está fora há anos e pensa em voltar a viver no Brasil...PENSE bem!  PENSE realmente muito bem antes de deixar tudo o que tem para trás  e voltar para retomar ( recomeçar ? ) sua vida por lá.  

Faça como eu fiz ( embora só tivesse voltado lá  de férias...)  :  volte  por algumas semanas e faça uma 'viagem de reconhecimento' .  Fale com as pessoas sobre o  seu dia a dia.  Assista o Jornal Nacional  todas as noites -  ele , ao contrário do que  muita gente pensa,  não mente e nem exagera os fatos.

 

Pode ser que a economia brasileira esteja , de fato, indo de vento em popa.

Somos a oitava economia do mundo.   Segundo a CNN , em 2016 seremos a quinta...( Algo a ver com a Olimpíada do Rio ??)

Mas isso são apenas números.   Na prática,  a vida  lá fora -   no trabalho, nas ruas, nos transportes públicos, nos estabelecimentos comerciais, nas estradas,  nas repartições públicas, nos bancos, nas praias e mesmo EM CASA...   é outra estória bem diferente!

 

Se  você está fora já faz tempo - principalmente  vivendo em um país mais desenvolvido, civilizado e justo...-   ao voltar ao Brasil ,  é bem provável que tenha um choque cultural em mais de um aspecto. 

Voltar de férias  é sempre bom , mas voltar para ficar.... Bem,   conheço mais de uma pessoa que  fez isso e  depois se arrependeu  amargamente.   Pior:  algumas  nunca mais puderam voltar atrás e retomar a vida que haviam deixado pra trás! 

 Mas enfim,  isto é apenas mais uma opinião muito pessoal.  Cada um no fundo sabe o que deve e o que precisa e realmente quer fazer da vida.

 

De minha parte , só o que posso dizer é que estou FELIZ de estar de volta  aos States.

-FELIZ de poder respirar  novamente o ar puro de minha rua calma, limpa e arborizada.   

 -FELIZ  de poder dirigir o meu carro sem estresse , numa cidade onde não se buzina ; de parar  no sinal , mesmo tarde da noite, sem medo de ser assaltada. 

 - FELIZ de poder usar meu anel , relógio ou  corrente de ouro na rua ,  nos parques, no Centro, no carro ou ônibus,   sem medo ou REMORSO ! ( Por que eu haveria de me sentir mal de usar algo que me pertence?  Que eu comprei ou ganhei de presente com os meus próprios méritos??) 

 -FELIZ de entrar no meu banco , onde não há um único  guarda armado , dentro ou fora da agencia - e isto em uma cidade de mais de um milhão de habitantes! 

 -  FELIZ de saber que tenho  controle sobre minha vida e a liberdade de ir e vir como qualquer outro cidadão que paga seus impostos. 

 - FELIZ de poder voltar à uma loja com um produto defeituoso , MESES após a compra,  e ouvir da vendedera , com um sorriso no rosto e pedido de desculpas,  que posso  trocá-lo  por um novo  em folha ou receber meu dinheiro de volta !

Enfim,  FELIZ de ter um tio chamado  Sam,  que se importa,  que cuida e respeita os meus direitos de cidadã.  

 

 God bless America !

 

 

 

 

sinto-me: Happy to be back!
publicado por Pâmelli às 18:11
link do post | Comentários | favorito
Quarta-feira, 30 de Setembro de 2009

Chove chuva...Chove sem parar...

 

De uns anos pra cá a impressão que se tem ao voltarmos todo ano ao Rio,  é que  o sol  aqui (  assim como  tantos cariocas atualmente...) ,  ficou com MEDO  de sair de casa .

Diariamente, as notícias no jornal da T.V. são de arrepiar os cabelos! 

Dois dias atrás,  foi MAIS UM PRÉDIO invadido em Ipanema, com vários apartamentos assaltados e moradores transformados em  reféns.  Pior:  um dos meus restaurantes preferidos  na cidade  (uma creperia em Copacabana chamada Blé Noir ...),   que estava cheia de clientes na hora do jantar , foi  invadida por uma gangue de assaltantes que  , com GRANADAS  nas mãos, aterrorizou todo o mundo e levou seus  cartões de crédito , dinheiro e celulares!  

Naturalmente até agora ninguem foi preso.

 

E não.  Só pra lembrar...  Não estamos falando de 'um dia passado em Bagdá ' .

Isto é a Zona Sul,  parte 'nobre' do  Rio de Janeiro , em setembro de 2009 !! 

 

Então no wonder que o sol aqui prefira se esconder dentro de casa,  trancado a quatro chaves ... - and who could blame it??!

 

---

 

 Hoje faz um mês que chegamos ao Brasil.

Em nossa primeira semana na Cidade Calamitosa,  tivemos ( milagrosamente!) , sol e céu azul.  Então seguimos  para o nordeste ( alí sim,  a Terra do Sol !! ) e pegamos 15 dias magníficos em Jericoacoara.

 Wow, nem parece que já faz quase duas semanas que voltamos de lá!!!

Não é que esteja negligenciando o blog,  mas acontece que na casa de minha tia, onde estamos hospedados , não há internet.  Então é só quando venho ao apart-hotel onde minha mãe reside, que posso usar o wireless update um pouco os e-mails e dar uma paradinha no 'Parada'...

 

Enfim,  como vêem,  I'm still alive!!  lol 

E como sou 'turista' e carioca de nascença...sou corajosa ( louca??)  e portanto  continuo saindo, tomando táxi, metrô, às vezes até o ônibus comum,  andando nas ruas, no calçadão ( quando a chuva dá uma trégua...), comendo fora ...Enfim,  SOBREVIVENDO aqui,  assim como as outras milhares de pessoas que vivem o ano inteiro nesta cidade.  Tomo cuidado, fico de olho,  mas ao contrário do  ,  saio de casa,  encontro os amigos e aproveito o que a cidade ainda tem a oferecer. 

Após um mês aqui,  encontrando  e conversando com amigos e parentes locais,  cheguei a conclusão que  os cariocas atualmente se dividem em duas categorias :  aqueles que já se adaptaram à violência  absurda e inconcebível inerente à sua cidade;  aqueles que  passaram a aceitá-la e aprenderam a conviver com ela - assim  como um diabético que toma suas injeções de insulina todos os dias e já nem sente mais a picada da agulha.   Estas pessoas acham que viver assim é 'normal' e até se espantam com o nosso espanto! 

O segundo grupo é o daqueles que xingam,  se revoltam com o estado em que as coisas chegaram .  Dizem abertamente  que tomaram 'ódio e nojo' por sua cidade e que se pudessem viveriam em outro lugar , até mesmo em outro país.  Muitos tomaram ódio inclusive dos próprios cariocas ,  apesar de serem , eles próprios ,  'cariocas da gema' como se diz por aqui. Falam bem dos paulistas e sulistas e odeiam os nordestinos que, segundo eles, foi  'quem estragou o Rio' .

  Estes cariocas extremamente frustrados e revoltados em geral não são muito jovens.  São aquelas pessoas que se lembram de 'um  Rio muito diferente do que existe hoje...' .  São pessoas que um dia tiveram muito amor e orgulho de sua cidade , mas que hoje se sentem roubadas e trapaceadas pelo destino.  

Então falam mal,   xingam, criticam, mudam de nacionalidade quando podem, fazem planos e até economias o ano todo, só para poder fugir  viajar para o exterior e ,durante uma ou duas semanas,  respirar um ar com um pouco de civilidade. 

 Algumas, mais jovens e ainda com saude, pensam seriamente em emigrar ou ao menos mudar para outra  cidade no Brasil.  

Sinto por estas pessoas. .  Mais do que pelos outros -  os alienados,  os resignados,  aqueles que já aceitaram e se adaptaram à sua realidade de mundo cão.

Sei que se  vivesse aqui,  seria uma  destas almas  frustradas e atormentadas  e teria de conviver , dia após dia,  com o fel me envenenando dentro do próprio corpo .  

 Foi por isso que parti.  Primeiro indo morar na Costa do Sol...Depois partindo de vez para os E.U.A.

Não me arrependo.  Não sinto saudades desse Rio que ficou .   Sinto saudades do Rio que se foi. 

 

---

 

 Mas nem tudo é desgraça e vergonha no Rio.

Nestas semanas que passamos aqui , assisti à mais de um show excelente de Bossa Nova,  fui ao teatro ver o musical 'Tom & Vinícius' ,  comi muito bem em mais de um 'à quilo' da cidade,  jantei com amigas no elegante 'Bar do Hotel' do Marina e almocei com meu marido no velho e tradicional restaurante português 'Alfaia' , em Copacabana.

Na primeira semana de setembro consegui até pegar uns dias de praia!

 

Enfim, a  gente faz e aproveita o que pode pois afinal nem tudo aqui são lágrimas.

Com a exceção daquelas , é claro,   que insistem em cair do céu... 

 

 

 

 

sinto-me: Entediada com o mal tempo...
publicado por Pâmelli às 20:28
link do post | Comentários | favorito

.Mais sobre mim

. Meu Livro

COPADRAMA

- A Brazilian Tragicomedy

(um romance em inglês de I. Pamelli M.)

. Comprar na AMAZON.com

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Romance para este inverno...

. Dica de leitura para este...

. Leitura de verão: Três ro...

. Copadrama -Uma tragicoméd...

. Um romance de fim de ano....

. Jorge , o Amado

. Bye, Bye Veja Brasil

. Massacrando o português

. A oncinha de Jundiaí

. SENNA, 17 anos depois .....

.arquivos

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Junho 2017

. Abril 2016

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds