Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Parada Essencial

Benvindos ao "Diário politicamente incorreto da Pâmelli" - uma brasileira/americana childfree, residente nos E.U.A. desde 2003 Viagens, cultura, desabafos e muito mais!

Parada Essencial

Benvindos ao "Diário politicamente incorreto da Pâmelli" - uma brasileira/americana childfree, residente nos E.U.A. desde 2003 Viagens, cultura, desabafos e muito mais!

Explorando o Colorado

Pâmelli, 01.10.12

Categoria de post : turismo/viagem

 

( Já faz alguns dias que voltamos para casa, mas aqui vai o post que escrevi do carro,  na estrada,  voltando do Colorado para o Texas…)

 

   Nesta semana que passamos no Colorado,  como sempre,  ficamos hospedados na cidadezinha de Breckenridge - que é uma das mais antigas e históricas da região , além de conhecida estação de esqui no inverno.  (Para saber mais,  clique no tag  “Colorado” do Parada).  

Desta vez, ao invés de alugarmos bicicletas (nesta época do ano os passeios de bicicleta pela região  são muito populares…), resolvemos COMPRAR as nossas, lol.   Também já não era sem tempo:  as lá de  casa  estavam mais velhas que o Matusalém!

 

   O bom  aqui no Colorado ,  é que  as lojas compram  bicicletas novas no verão para  alugar para os turistas, e no outono,  se desfazem delas  praticamente novas.  Ou seja: você   pode fazer um bom negócio comprando uma  bicicleta  de ótima qualidade, semi-nova e a um  preço camarada. Daí que agora,  dirigindo de volta ao Texas,  seguimos  com elas penduradas no rack, atrás do carro, lol. 

 

   Mas voltando ao Colorado…

   As belas e imponentes “Rocky Mountains” são a  marca registrada do estado ,  e nesta época do ano ( o outono) muitas aspens ficam amarelas.( Como se chamam estas árvores em português?)   Aliás, vale lembrar que a estação de esqui mais famosa e badalada ( para não dizer metida…)  dos E.U.,   fica a apenas duas horas e pouco  de Breckenridge e se chama , precisamente,  ASPEN! ( A ver o  post que escrevi sobre o lugar no mesmo setor –tags- mencionado acima).  

 

   Anyway , no  dia seguinte da compra das bicicletas,  resolvemos explorar a área em volta  de  Vail,  que é a outra estação de esqui dos “ricos e famosos ”. Eu,  confesso que ,  como turista não-esquiadora,   não sou nada impressionada com  o lugar.  Afinal,  ao contrário de Breckenridge e outras cidadezinhas na região,  Vail não é,  nem nunca foi uma cidade.  Trata-se apenas de um ski resort( literalmente, uma “estação de esqui”) e , a meu ver, é uma  espécie de “Brasília do esqui”, já que foi  criada artificialmente em 1962,  no meio das Rocky Mountains.  ( Já para quem é esquiador “sério”, assim  como meu marido,  as pistas de esqui em Vail  são as melhores de todas as da região,  batendo inclusive as da famosa Aspen e as do luxuoso resort de Beaver Creek…).

   Mas,  como este blog é escrito por uma brasileira NÃO esquiadora, lol,    o que posso dizer de bom sobre Vail é que há várias ótimas trilhas  para se andar de bicicleta nos seus arredores ( apenas na primavera, verão ou começo do outono).   Nós, por exemplo,  descobrimos uma super agradável ,  no meio  de uma paisagem belíssima ,  que sai  do centrinho da “cidade”  (o Vail Village) e segue pelo Gore Valley Trail , passando ao lado do campo de golfe.  Realmente, um  percurso muito lindo, salpicado por algumas casas  ‘desbundantes’, lol ,  cercado de  aspens por todos os lados e o  melhor (pelo menos pra mim!):  com a trilha asfaltada e com poucas subidas íngremes. {#emotions_dlg.smile}

   Neste dia almoçamos no centro de Vail , em um restaurante italiano chamado “Vendeta’s “ , que para nossa surpresa, tinha até um sanduíche de Reuben muito bom  e uma pizza bem decente . O senão foi a  garçonete, que era  podre de antipática! ( Será isso o normal por ali??)  E não.  Caso estejam imaginando,  não estávamos mal vestidos , nem com cara de “pobres”, lol.  Aliás, aqui nos E.U. ,  não existe este “conceito” de alguém ser esnobado num lugar  “por estar mal vestido” -  até porque a maioria das pessoas – inclusive quem tem dinheiro!- se veste muito  mal. 

  WhateverSo much for Vail.

Mas o dia ainda não tinha terminado e como já estavamos naquela região, resolvemos seguir ( de carro) até Beaver Creek  ,   outro ski resort, aberto na década de 80 e  com a fama de ser ainda mais high classe e metido do que Vail.   

De fato,  as lojas em Beaver Creek são claramente mais upscale.  Havia, por exemplo,  uma bela galeria com esculturas em bronze de alguns célebres Americanos como Benjamin Franklin,  Thomas Jefferson e o antigo cowboy e ex-presidente Ronald Reagan. ( O cara era um babaca, mas até que era bonitão…)  Havia também uma loja de “cashemirs da Escócia”, cujo item mais ‘em conta’ ficava por volta dos $400! 

O fato é que Beaver Creek,  com toda a sua ‘perfeição artificial de reduto de milionários’ ( alí nem mesmo os passarinhos se atrevem a sujar as ruas!) ,  assim como Vail,  me deu aquela sensação esquisita   de estar visitando uma ‘bolha esterilizada , onde nada realmente sobrevive sem uma máscara de oxigênio.   

Apesar do resort estar completamente deserto nesta época do ano, não pude evitar de pensar que mesmo na alta temporada do esqui, quando o lugar fica cheio, Beaver Creek  é desprovido de ALMA . Falta  uma história.  Faltam bairros.  Falta uma população local  e até mesmo  cocô de passarinho nas ruas! Lol  É tudo ‘perfeitinho’ demais para ser real.   O que nos fez pensar:  Afinal,  onde moram as pessoas que TRABALHAM  alí ?? 

Com certeza, em alguma cidadezinha  da região.

--

 Antes de seguirmos de volta à Breckenridge,  ainda demos um pulo até  o vilarejo de Minturn, a poucos quilômetros dali, e que é TUDO o que  Vail e Beaver Creek não são :   simples e despretensioso. De fato, o  lugarzinho tem apenas uma rua principal , mas é  100 genuíno!    

 Há uns dois ou três restaurantes , uma ou outra lojinha e um pequeno hotel simpático.  Mas o local para se fazer um devido pit-stop em Minturn é um autêntico Saloon ( aquele tipo de bar bem “ faroesteano”, típico do final do Século 19…) – o único do local.

Trata-se de uma construção em madeira, de aparência  bem rústica por fora, mas muito charmoso por dentro.  O bar é cheio de posters e fotos de pessoas famosas que passaram por lá –todos assinados e dedicados ao dono.  A maioria  é de esquiadores , alguns pilotos de corrida ,  políticos famosos  e até mesmo um do  Clint Eastwood!  

  Pois é. Parece  que até  mesmo os “ricos e famosos” às vezes  se enchem  de tanto luxo e,  após passarem o dia esquiando em Vail ou Beaver Creek,   dão sua escapulida até a bucólica Minturn para uma cerveja  ou margarita em seu típico Saloon no estilo do Velho Oeste.  E a propósito: a única coisa que não é típica alí é a comida , que ao invés de ser Americana é Mexicana,  mas, que  surpreendentemente,  combina com  a rusticidade do  local.

--

Ok,  agora estamos de volta a estrada e hoje à noite já dormiremos em Amarillo, no Texas. ( Confesso que já estou com saudades do Colorado). 

And guess what… Justo agora,    acabei de ver algo de muito especial na estrada!  Uma visão quase anacrônica por estas bandas:  um pequeno grupo de búfalos pastando!  

Sim,  em 2012,   ainda restam uns poucos deles para contar a história… 

 

E ainda nesta viagem:

 

Visita a cidadezinha de Frisco - que não é estação de esqui, mas que fica bem perto de várias delas e tem o seu próprio charme e simpatia ...

 ( A Main Street, ou rua principal...)

 

e, last but not least,  uma parada especialmente interessante no Royal Gorge!

    

O Canyon tem cerca de 15 metros de largura em sua base, e 380 de altitude. 

Em baixo,  o rio Arkansas cortando através do granito das Rocky Mountains.

Isto , gente,  é o Colorado!  {#emotions_dlg.smile}

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.