Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Parada Essencial

Benvindos ao "Diário politicamente incorreto da Pâmelli" - uma brasileira/americana childfree, residente nos E.U.A. desde 2003 Viagens, cultura, desabafos e muito mais!

Parada Essencial

Benvindos ao "Diário politicamente incorreto da Pâmelli" - uma brasileira/americana childfree, residente nos E.U.A. desde 2003 Viagens, cultura, desabafos e muito mais!

Você é o supermercado que frequenta...

Pâmelli, 09.06.09

 

 

No Texas há uma cadeia de supermercados imensa e poderosíssima chamada HEB.

( Não sei se existe em outros estados americanos...)

 

O HEB é um excelente  supermercado, muito barato , mas com produtos de ótima qualidade - portanto é o melhor lugar para se comprar 90% do que se precisa para casa. 

Já ,  no caso de uma posta de peixe especial,  um vinho mais requintado ou um tempero mais exótico e dificil de se encontrar...Para isso aqui nós temos dois outros supermercados, bem mais 'chiques' e de preços  naturalmente  bem mais elevados:    o Central Market e ( a maior estrela de todos!) , o Whole Foods.

 

Mas voltando ao HEB...

O problema desta cadeia de supermercados é a 'frequência'!

( E aqui eu vou dar uma de Aguinaldo Silva , o autor de telenovelas da Globo,  que diz que 'ser politicamente correto é  o mesmo que ser hipócrita; que as coisas têm nome e o nome das coisas é aquele que sempre foi e  um anão , por exemplo, é um anão  - e não um 'cidadão verticalmente prejudicado... '

Então eu digo e repito,  o problema da maioria dos HEBs é a 'frequência' !

 

Tirando um ou dois bairros melhores na cidade onde  tambem podem ser encontrados,  o fato é que a maioria de seus estabelecimentos é péssimamente frequentada - e não estou me referindo apenas a aparência ( deplorável) de alguns de seus clientes , mas ao seu comportamento  que, muitas vezes,  tambem deixa muito a desejar.

 

O local  da cidade onde moramos fica próxima ao centro e portanto o preço do terreno aqui é bem elevado.  Contudo, a área em volta é rodeada de bairros mais populares e o HEB mais  próximo de nossa casa é justamente bem no meio de um destes bairros.

Então ,quando vou fazer compras,  já estou acostumada a topar com gente maltrapilha,  a escolher meus legumes  e frutas em meio a gritaria  da mexicanada empencada de filhos  , a volta e meia ter de  me desviar das cadeiras de rodas elétricas dos  clientes  americanos  OBESOS (  aqueles que são tão gordos que sequer conseguem andar de uma ala a outra,  e que certamente devem viver de welfare pois com certeza são 'handicapped demais' para  trabalhar !)  Com isto tudo eu já nem me espanto mais mas  esta semana , confesso ,  minha experiência semanal no HEB conseguiu ser insuperável.

 

Desta vez eu quase fui atropelada em um dos corredores do supermercado por um menino de uns 10 anos,  correndo com o carrinho a toda velocidade e urrando como se fosse um orangotango recém-escapulido  da jaula de um zoológico .  A mãe,  uma criatura mau-encarada,  vestindo uma mini-blusa e  calça surrada  de cintura baixa  ( com a barriga totalmente de fora), vinha logo atrás, empurrando o seu próprio carrinho, com a filha mais nova dentro e  achando  tudo normal .

Então o  futuro serial killer,  após quase bater a TODA   , de frente no meu carrinho,  desviou   no último minuto , olhou para trás e então  resmungou alguma coisa   naquele dialeto  típico  de gueto afro-americano. ( Suponho que tenha me xingado por eu  ter tido o desplante de estar fazendo compras justamente na ala  do supermercado onde ele queria disputar as 500 milhas de Indianápolis! )

Desde então,  como ainda tinha muito o que comprar,  procurei evitar ao máximo de entrar na mesma área no supermercado onde a Família Adams se encontrasse.   Apesar disto,  os urros do  pentelho volta e meia ecoavam pelo estabelecimento inteiro.

Então ,de repente ,  enquanto escolhia algo na prateleira, olhei para o lado e vi um casal jovem .  Não sei porque meus olhos foram atraídos por uma coisa cor-de-rosa no chão.  Guess what?  A mulher havia saído de casa usando um par de chinelos rotos, de um rosa encardido e com POMPOM!! Dá pra acreditar??

Agora cá entre nós,  chinelos de dedo e havaianas  ( a menos que se esteja na praia) já são, a meu ver,  o fim da picada .  Mas sair de casa de chinelo de quarto com  pompom  já é  um pouco demais!   

Para completar ,   quando chegou minha hora de pagar... eu, sempre  preocupada em NÃO ficar na mesma  fila da família Adams,  acabei bem atrás da mulher com o chinelo de pompom.  Just my luck!  

Suponho que o chinelo devia ser muito confortável pois após  pagar com cartão ,  a figura resolveu checar a lista  do caixa INTEIRA  , item por item,  pois achou que algo estava errado.  Eu ,  com minhas compras já na esteira,  os congelados descongelando ,  fiquei plantada uns bons 10 minutos até a mulher se dar por satisfeita com a conta, finalmente assinar a nota e se arrastar com seu pompom pra fora da fila do caixa.  Aaaaaaaaaarrre.

 

Sinceramente,  depois desta,  resolvi  que  de agora  em diante vou  passar a dirigir mais vinte minutos para chegar ao HEB do Far-West ou o do Village Weslake  , onde a clientela é OUTRA.

Este último ,aliás,  acabou de abrir e fica quase ao lado do Hills, minha academia.

Em um caso destes, mais vale gastar mais gasolina e perder mais tempo dirigindo,  só pra preservar a  sanidade mental e  às vezes até a própria vida! 

 

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.