Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Parada Essencial

Benvindos ao "Diário politicamente incorreto da Pâmelli" - uma brasileira/americana childfree, residente nos E.U.A. desde 2003 Viagens, cultura, desabafos e muito mais!

Parada Essencial

Benvindos ao "Diário politicamente incorreto da Pâmelli" - uma brasileira/americana childfree, residente nos E.U.A. desde 2003 Viagens, cultura, desabafos e muito mais!

Chutando o pau da barraca

Pâmelli, 11.12.08

 

Como eu mencionei em meu penúltimo post,  agora ando dando aulas de 'Business Portuguese'  para um jovem advogado que trabalha no centro da cidade.

Há alguns dias atrás, enquanto deixava o edifício -garagem de seu escritório,  de repente me vi pensando no tanto que minha vida  havia mudado  nestes últimos... quase dez anos.

Yes,  I've come a long way

 

Alí estava eu,  dirigindo o meu lindo carro (  antigo , mas lindo ,  e que eu adoro...:-) ,  saindo de um belíssimo prédio de escritórios no centro de Austin, após ter dado um aula para um aluno bastante  high profile ...:-)

Sim,  hoje eu  não apenas dou aulas em alguns dos  melhores estabelecimentos da cidade  ,   mas  tenho meu trabalho reconhecido e bem pago .  Sou uma profissional admirada, uma mulher bem casada,  moro em uma casa grande e confortável,  tenho o carro dos meus sonhos e ,  recentemente,  até consegui um passaporte de Primeiro Mundo!  lol    ( Sim ,  isto foi para mim , durante muito tempo, o meu capricho e fetiche pessoal...:-)) - e não apenas por razões práticas e realistas.)

Meu próximo goal agora é no ano que vem publicar meu primeiro romance. :-).  Faz dois anos que trabalho neste projeto. 

La vita è bella  -  mas nem sempre foi assim,  certo?  

Certo!

 

Há momentos na vida quando precisamos realmente fazer uma auto-análise e decidir se estamos seguindo o caminho certo -  e se chegamos a conclusão que não,  ter a CORAGEM de mudar tudo e , se necessário ,  recomeçar  do ZERO!

Em outras palavras,  há momentos na vida onde é preciso chutar o pau da barraca.

O problema é que muita gente não tem a coragem de fazer isto.  Prefere continuar levando uma existência miserável e deprimente  , de infelicidade  já conhecida...Do que arriscar e tentar procurar a felicidade no campo do  arriscado e  desconhecido.

 

Há dez anos atras eu morava em uma pequena cidade no interior do Brasil .

Eu lutava para manter um pequeno curso de línguas.  Eu tinha um casamento falido.

Vivia sozinha,  trabalhando dia e noite,  mal paga,  endividada , mal amada, solitária e  incompreendida.  Eu era um E.T. no meio daquela gente,  daquela cidade.

Estava  no lugar errado,  no meio das  pessoas erradas...Semi-morta!

Durante cinco anos vivi esta vida infeliz  e  desgraçada. 

 

Apesar de tudo,  era uma empresária.  Morava  em uma casa enorme.  Tinha empregada,  carro , vários cartões de crédito...Todos cheios de dívidas!

 Então   um dia  resolvi que era hora de pôr um fim a tudo aquilo:  o negócio falido  ,  o casamento infeliz   - em suma:  toda aquela existência errada e deprimente. 

 

Fechamos a escola.  Meu ex-marido voltou para a Alemanha.  Eu,  retornei ao Rio e recomecei a dar aulas de línguas em diversos cursos locais ,  agora novamente como uma simples professora. Aluguei um quarto e sala em uma das ruas mais barulhentas de Copacabana.   Eu já tinha quase 35 anos e estava pronta para recomeçar minha vida do ZERO.

 

Apesar de dar aulas  dia e noite,   mal conseguia pagar o aluguel.

Passava os fins-de-semana em casa,  assistindo a vídeos,   por falta de dinheiro para encontrar os amigos e acompanhá-los em seus programas sociais.   Comia na casa de meus pais.  As vezes trazia alguma coisa de lá para pôr na geladeira lá de casa, que só vivia vazia.

 

O principal curso onde eu trabalhava faliu e deixou de pagar os professores durante meses. Por falta de pagamento perdi todos os cartões.  Perdi o crédito tambem.

Um dia,  me lembro bem, pois para mim aquele foi o momento  em que cheguei ao fundo do poço... Estava andando pela  movimentada N.S. de Copacabana ,  no Rio,   quando avistei um  pequeno chumaço de notas caídas na calçada.   Eram 30 reais -  cerca de uns 10 dólares .  Me lembro que olhei em volta apenas para me certificar de que mais ninguem havia visto a 'fortuna'  e então peguei  o dinheiro e  saí correndo.

$30.00  reais -  era mais do que eu tinha em minha conta no banco naquele dia.

 

 Foi nesta época que conheci meu segundo marido,  que estava a trabalho no Rio e passei a lhe dar aulas de português.

No entanto sua estadia  no Brasil  durou apenas alguns meses e  logo ele voltou à América.

 

Pouco depois eu  aceitei uma oferta de emprego para trabalhar como professora de línguas em plataformas de petróleo. 

Aquilo representava um pequeno risco de vida,  mas tambem uma GRANDE  chance de mudança!  Eu trabalharia apenas 2 semanas por mês,   residindo  na plataforma.   Éramos apenas 6 mulheres , entre os 200 embarcados.  Eu dormia em um beliche, dividindo o quarto com mais quatro funcionárias. 

Em troca, tinha  duas semanas livres todo mês -  além de um salário bem melhor do que o que recebia dando aulas em 3, 4 lugares diferentes ( sem contar os alunos particulares...) no Rio.

 

Mudei-me para a Costa do Sol.  Aluguei um studio em um pequeno balneário  próximo de Macaé,   o local de onde saíam os  helicópteros para as plataformas...

  Foi a partir dalí que as coisas começaram a melhorar para mim.

 

Na plataforma eu tinha bastante tempo livre entre uma aula e outra - tempo que eu usava para ler, frequentar a academia ou assistir aos vídeos do cineclube off-shore.  

Durante as duas semanas que ficava livre por mês,  eu aproveitava as praias na Costa do Sol -  principalmente em Búzios , que ficava próximo de onde eu morava.

 

Meu meio de transporte  no balneário era uma bicicleta.  Minha  única amiga e companheira , minha cadela. Minhas únicas diversões ,  a internet e a televisão.

 

Aos poucos  fui conseguindo  pôr minhas contas em dia. 

Eu vivia sozinha , mas estava em paz com a vida e sabia que tinha feito a coisa certa.

 

Mas o 'destino' me reservara  algo mais...:-)

 

Foi então que meu ex-aluno  de português ( meu atual marido) voltou ao Brasil  e foi a minha  procura  .   Quase dois anos tinham  se passado  desde nosso último encontro mas ele  não havia me esquecido.

Quando chegou ao Rio , soube que eu  estava embarcada na plataforma . 

Então , no mês seguinte,   ele voltou novamente durante minha quinzena de folga.

Naquele fim de ano nós passamos uma de nossas melhores férias na Costa do Sol ...

 

 

 

Hoje eu estou aqui e tudo isto faz parte do passado,  mas seria realmente  o PASSADO ,  se eu não tivesse chutado o pau da barraca e dito ,   " BASTA!

Chega!    Não quero mais isto.  Não terei mais isto em minha vida.  Estou pronta para recomeçar.  Eu mereço algo mais! "   ???

 

 

Nunca se conforme com a sua infelicidade.  Você merece e pode ser feliz.

Acredite.  Nunca desista.  E principalmente,  não tenha medo de chutar o pau quando as coisas chegarem a um ponto menos do que o suportável.

 

O 'destino'  :-)  ajuda  aquelas pessoas que têm fibra e coragem  para mudar  a própria sorte e se acham merecedoras de tudo de bom que a vida pode lhes oferecer.

 

O 'destino'  :-)  ,   gosta de pessoas com os neurônios dourados...

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.