Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Parada Essencial

Benvindos ao "Diário politicamente incorreto da Pâmelli" - uma brasileira/americana childfree, residente nos E.U.A. desde 2003 Viagens, cultura, desabafos e muito mais!

Parada Essencial

Benvindos ao "Diário politicamente incorreto da Pâmelli" - uma brasileira/americana childfree, residente nos E.U.A. desde 2003 Viagens, cultura, desabafos e muito mais!

O Roubo do MASP

Pâmelli, 07.04.08

 

Quando no final do ano passado eu lí sobre o roubo de duas obras de arte no Museu do Masp de São Paulo (  um Picasso e um Portinari) ,   fiquei surpresa apenas com o fato do episódio ter levado tanto tempo antes de acontecer.

Desde a primeira vez que tomei conhecimento de um  roubo de obras de arte em museus famosos pelo mundo , nos anos 80, ( na ocasião tratava-se do quadro de Monet  " Impressão Sol Nascente" , o qual  deu origem ao movimento Impressionista e que na ocasião foi surrupiado do Museu Marmottan em Paris... ) ,  eu sempre imaginei por que ninguem no Brasil até então havia pensado no Masp. Afinal  trata-se praticamente do único museu no  país de fama e prestígio internacional,  com um acervo de mais de 5 mil obras de arte desde a antiguidade clássica até a arte contemporânea.  Entre os estrangeiros encontram-se nada menos do que Rafael, Cézanne,  Monet,  Van Gogh,  Renoir e Picasso;  entre os brasileiros,  ninguem menos do que Portinari,  Anita Malfatti e Di Cavalcanti...

Sempre me pareceu que ,  se uma pessoa resolvesse cometer um crime de assalto,  ao invés de tentar invadir um banco ( onde normalmente já há um aparato de segurança muito bem montado , até porque assaltos em bancos no Brasil acontecem quase todos os dias ...) ,  deveriam seguir para um museu de primeira linha  onde , não apenas as pessoas raramente esperam que seja invadido por assaltantes...,  como pelo fato de que  uma única peça de um acervo famoso ( como no caso do Masp) já pode chegar aos milhões de dólares!

(Aparentemente o furto das duas telas de Picasso e Portinari levaram pouco mais de três minutos...)

 

O fato  é que o comentário irônico de Moisés Manuel de Lima ,  o ex-funcionário do Masp e a quem coube o planejamento da operação de furto no museu  ,  ao ser entrevistado na delegacia de S.P.  ,  não poderia ser mais verdadeiro:    "Brasileiro não tem cultura. Basta olhar a bilheteria do museu.  É muito pobre. '

 

Ora,  se não frequentam os museus e nem sequer sabem o que tem dentro do museu  de arte mais importante da América Latina e muito menos o valor astronômico de suas obras...como é que teriam a idéia de planejar um furto desses?

 

Poderia se dizer que dinheiro vivo ,  tirado diretamente do banco seja melhor.  Mas os riscos tambem são muito maiores -  sem falar no TEMPO necessário para se tirar uma quantia realmente volumosa do cofre de um banco durante um assalto.

Já com um Picasso ou Portinari...,  mesmo que não possam ser legitimamente vendidos pelo seu real valor,   há sempre a possibilidade de se conseguir uma quantia nada desprezível por uma de suas telas  em um dos mercados negros ou leilões clandestinos ao redor do mundo...

 

Mas voltando ao Masp...

Pessoalmente penso que aquele prédio horroroso em plena Avenida ( poluída, barulhenta, cheia de ônibus, mendigos  e passantes apressados...) Paulista é um acinte ao acervo magnífico daquele museu.  Talvez na época em que foi inaugurado fosse alguma coisa.  Hoje,  não passa de um prédio sem charme, desengonçado, mal frequentado  do lado de fora  e  deprimentemente vazio  por dentro.

Mas isto é o Brasil.   Para o Carnaval ,  convida-se o maior arquiteto do país para projetar o Sambódromo,  mas por que não  chamam  o Niemeyer novamente agora , para fazer um novo prédio para abrigar a coleção do Masp?!  E um ,de preferência , com um sistema de segurança bem avançado pois agora que o precedente foi aberto,  é só uma questão de tempo até um dos Monets ou Renoirs saírem  novamente de fininho do museu !

 

É triste a falta de cultura do povo brasileiro.

Não é a toa que o  'Abaporu,'  a obra mais importante do país , acabou sendo comprada pelo empresário argentino, Eduardo Costantini ,  dono do museu Malba de Buenos Aires . Isto,   depois que nenhum museu ou família de posses brasileira  se interessou em  adquirí-lo e desta forma garantir que  o quadro  permanecesse no Brasil...

 

Quando perguntado sobre o que faltava aos museus brasileiros,  o elegante milionário  ( aliás , casado com uma brasileira...) respondeu:

 "Falta capacidade de sedução.  Museu é como mulher:  não basta ter conteúdo, tem de ser bonita e saber seduzir.  Um museu em um prédio bonito, por exemplo,  tende a atrair mais visitantes..."

 

Os americanos há muito tempo que já sabem disso.  Que o digam o  museu Guggenheim  e o  Metropolitan de Nova Iorque...

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.